sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Exclusivo! Análise da Apostila de Sociologia do Estado de São Paulo.

Pare de acreditar no governo e descubra por que a apostila de sociologia da rede estadual de São Paulo é um material puramente ideológico que está lobotomizando seus filhos. Confira a análise detalhada feita por um professor!

Leitor, conhece a receita para fazer uma apostila de sociologia eficiente? Primeiro coloque feminismo, militância gay, sindicalismo, discriminação racial, marxismo e MST no liquidificador. Depois junte um pouco de marxismo cultural - para dar a liga - e bata tudo no liquidificador. No final, adicione uma pitada de "legitimidade" científica e mande entregar em todas as escolas públicas.

Assim é feita a Apostila de Sociologia da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo - que me emprega como professor. Esta possui um programa educacional chamado São Paulo faz Escola. Aplicado em todas as escolas da rede desde 2008, o sistema tem um objetivo  aparentemente nobre: enfrentar o baixo desempenho escolar subsidiar o trabalho de professores, gestores e alunos (Catanzaro, 2012). Na prática, é uma cartilha que norteia o que os alunos devem aprender. Legal né? Só que não.

Programa São Paulo Faz Escola: Apesar de facilitar a vida de professores e alunos, estimula a doutrinação ideológica nas escolas.
De fato, organizar o conhecimento em apostilas é bom para todos: ajuda o trabalho do professor e dinamiza a compreensão do aluno. Além disso, o sistema possibilita que haja uma continuidade lógica no conhecimento transmitido, facilitando o aprendizado. Como educador, tenho que fazer justiça e reconhecer que o modelo facilita muito nossa rotina.

Mas nem tudo são flores. Enlatar o conhecimento em cartilhas tem seu lado sombrio: acelera, e muito, a doutrinação marxista/gramscista nas escolas. Não estou falando isso porque sou um "tiozinho reacionário sem noção", mas sim porque sou professor de ensino público e sinto este problema na minha própria pele. Pois é.

ANÁLISE DO MATERIAL ESCOLAR - SOCIOLOGIA 

Para trazer um pouco desta realidade para vocês - restrita somente aos profissionais da educação do estado de São Paulo, o Diário de um ex Comunista quebrou um jejum de postagens elaborando um longo texto sobre a doutrinação ideológica nas escolas.

Dentre as diversas "apostilas do aluno", certamente nenhuma é tão descaradamente revolucionária quanto a do primeiro volume de Sociologia do terceiro ano do Ensino Médio, elaborada para ser ministrada no primeiro e segundo bimestre. Neste diminuto pedaço de papel, há esquerdices de todo tipo: incentivo indireto a homossexualidade, ideologia de gênero, populismo sindical, terrorismo agrário e uma resma panfletagens correlatas.

Justamente pela gravidade de seu azedume ideológico, a apostila foi a escolhida para ilustrar a lobotimização política no ensino básico - assunto este, já abordado por Pascal Berbardin em Maquiavel Pedagogo.

Vamos lá. No Estado de São Paulo, há dois tipos de apostila: o "Caderno do Professor" e o "Caderno do Aluno". É importante compreender esta peculiaridade, pois a análise abaixo corresponde aos dois materiais. Averigue bem a seguinte capa:

Caderno do Professor e Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I

Reparou? A cara é amigável, mas o conteúdo é bombástico. Não é preciso sequer estudar a apostila para captar as verdadeiras intenções curriculares da disciplina. Logo no índice já é possível ter uma ideia do tamanho da bomba:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 4

Observa-se que as situações de aprendizagem são totalmente voltadas para o marxismo cultural, como manda o figurino revolucionário. Para os alunos inocentes, as militâncias são sempre abordadas como "movimentos sociais" em "busca da cidadania", sendo jamais revelados seus pontos negativos, e tampouco as suas respectivas estratégias de dominação cultural. Se tiverem estômago, "apreciem" a introdução da Situação de Aprendizagem 6:

Caderno do Aluno- 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 58

Para os autores do São Paulo faz Escola, os movimentos progressistas - ou as milícias do pensamento, são reconhecidas como ação de "diversos grupos sociais em defesa de seus direitos", cuja natureza é fruto da "luta que brasileiros e brasileiras vêm levantando desde a Proclamação da República". Ao enxergar a sociedade somente através da luta de classes, a apostila ignora as individualidades humanas, evidenciando somente uma visão parcial e panfletária da realidade, como no caso dos sindicatos:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 52

Durante toda a Situação de Aprendizagem 6,  os sindicatos são vistos como heróis salvadores que tiraram os trabalhadores da miséria. Não há sequer menções sobre os problemas da interferência do governo na economia e muito menos sobre os males da legislação trabalhista. Segundo a apostila, os trabalhadores só têm benefícios porque o Estado se interferiu no capitalismo. Viva o Estado!

A proselitismo ideológico continua em defesa do agroterrorismo:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Páginas 62 e 102

Para uma boa conduta em sala de aula, o MST deve ser mencionado "trabalhando os esteriótipos e preconceitos", sem "julgá-lo segundo interesses determinados". Não é necessário dizer que o agronegócio e o capitalismo entram no grupo destes "interesses determinados", quiçá a Rede Globo e a revista Veja também.

De acordo com a cartilha, a política fundiária brasileira seria responsável pela "expulsão dos trabalhadores rurais", gerando pobreza e caos familiar. No material, os benefícios do agronegócio são ignorados, bem como a revolução verde e a balança comercial brasileira. Para essa gente, o MST é "bonzinho" e o latifúndio é "maldoso".

Prosseguindo a doutrinação ideológica, a Situação de Aprendizagem 7 discorre sobre o "Movimento Feminista", na qual o aluno poderá aprender "que a condição feminina e a masculina são historicamente construídas". Conforme evidenciado na imagem abaixo:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 74

Evidentemente,não poderia faltar o chavão clássico das feministas:  ser "homem ou mulher é apenas uma questão meramente histórica! A apostila aposta na ideologia de gênero, provavelmente incutindo na mentalidade dos adolescentes que essa coisinha chata chamada biologia é algo reacionário demais para se levar a sério. Homens e mulheres? Bobagem! Somos todos formigas hermafroditas!

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 82

Como se não bastasse, na página XX, a apostila de sociologia tenta atrair o aluno para a causa feminista:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 75

Devido ao alto grau de escatologia, somente este pequeno trecho de "Leitura e análise de texto" renderia uma longa postagem refutatória. Segundo a apostila, se você é contra a "violência contra a mulher", você é automaticamente feminista! Quem poderia ser a favor da agressão, não é mesmo?
"Seria como dizer: Hitler construiu Fuscas! Se você gosta de Fusca, você é nazista!" Caro leitor, isto chama-se falácia, e das bravas, viu?

Inclusive, esta questão me chamou muito a atenção:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 77

O que seria dissertar sobre o "preconceito no Brasil em relação ao feminismo"? Seria afirmar que nem todas as femininas são peludas e/ou feias? Seria legitimar um movimento que faz passeatas enfiando símbolos católicos no ânus? [escrevi sobre feminismo aqui] Ou, guardadas às devidas proporções, seria como dizer que "nem todo bandido é maldoso"? 


Calma! Ainda pode piorar! A Situação de Aprendizagem 9 chama-se "Novos Movimentos Sociais: Negro, LGBT, e Ambientalista". Só o título já é de causar certos calafrios, mas vamos ao que se segue:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 88

Segundo a introdução do capítulo, cada "grupo social" é "portador de necessidades e interesses legítimos", incluindo o sistema de cotas raciais, que seria um "direito". Naturalmente, não preciso dizer que é um absurdo dos grandes [já escrevi sobre isso aqui]. Uma das questões, inclusive, leva o aluno à associar desigualdade social com desigualdade racial:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 91

De acordo com o gabarito, a resposta correta para a questão é:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 103

Fica subentendido que a pobreza afeta somente a população negra, ou "afrodescendente", sendo ignoradas as mazelas sociais dos brancos e pardos. É sempre bom ressaltar que como diria a sábia Ayn Rand, o indivíduo é a menor minoria que existe [inclusive, já escrevi sobre isso [aqui]. Faltou, e muito, dizer que o livre mercado é a melhor forma de equalizar as diferenças raciais; e que grande parte da "discriminação social do negro" existe justamente por causa da mentalidade revolucionária-paranóica, que enxerga luta de classes em tudo.

Outra minoria bastante abordada é a LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, cujas reivindicações incluem a "criminalização da homofobia". A lição de casa abaixo, acompanhada do gabarito, resume essa questão:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 95
Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 104

Em conformidade com a apostila, a  "punição para todas as formas de rejeição ou expressão de preconceito contra homossexuais" seria apenas um "reconhecimento jurídico" da condição de um comportamento sexual. Não gostou? Manda prender!

É importante ressaltar que nem todos são obrigados a aprovar a conduta homossexual, incluindo padres católicos ou pastores evangélicos. Se o direito à sexualidade deve ser exercido, o direito à liberdade religiosa também, oras! [escrevi sobre isso aqui]. Entende-se que por mais bem intencionados que sejam os militantes, criminalizar uma simples opinião abre severas brechas para a censura no país.

Para fechar o bimestre, e também para encerrar esta postagem, que tal convidar os alunos a escrever uma letra de música "inspirada nas reivindicações de um dos movimentos estudados (negro, LGBT ou ambientalista)"? 

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 101

Boa lição de casa! =)
Por Diário de um ex Comunista

Fontes:
Caderno do Aluno - Sociologia 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - 2014
Caderno do Professor - Sociologia - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - 2014
Maquiavel Pedagogo - Pascal Bernardin (recomendado!)
www.teses.usp.br/teses/.../FABIANA_OLIVIERI_CATANZARO.pdf