domingo, 27 de julho de 2014

Um ano de blog! Leia as postagens mais acessadas e confira nossa história

Hoje é o primeiro aniversário do Diário de um Ex Comunista. Muitas felicidades e muitos anos de vida! Longe de Cuba e da Coréia do Norte, é claro. 

Vestindo camisetas do Che Guevara e reclamando do McDonalds, eu militara à favor da igualdade de renda e da implantação do socialismo no Brasil: costumara votar no PSOL e fazer trabalhos acadêmicos defendendo o MST e a coletivização no campo. Nos termos de Lênin, eu era um idiota útil.

Felizmente, graças à pessoas iluminadas como Olavo de Carvalho (mito!), Graça Salgueiro, Heitor de Paola, Reinaldo Azevedo, Rodrigo Constantino, Luiz Felipe Pondé, e inúmeros outros articulistas que vou fazer a injustiça de não citar aqui, fui pouco à pouco saindo do limbo mental e entrando em choque com a realidade capitalista. Intrigado por este novo cenário, entrei em contato com a literatura liberal-conservadora. Do dia para a noite, nomes como Adam Smith, Milton Friedman, Ludwig von Mises, Friedrich Hayek, Frédéric Bastiat, Russell Kirk, e Thomas Sowell começaram a povoar a minha biblioteca. Agora tudo fazia sentido! Como eu era imbecil!

Inconformado com a minha imbecilidade pretérita, há exatamente um ano atrás, resolvi escrever um blog contando a minha desintoxicação comunista e a minha jornada incessante rumo à inteligência político-filosófica. Prontamente, nascia no dia 27 de julho de 2013 o Diário de um ex Comunista, que veio à tona detonar mitos esquerdistas que acreditara estarem corretos. Sou uma formiguinha intelectual, é verdade, mas apesar das minhas bobagens acadêmicas esquerdistas terem virado comida de traça, as 49 postagens de meu blog atraíram extraordinárias 47.146 visitas, que vieram acompanhadas de 462 comentários! Não esperava nem 10% disso!

Diz o ditado que uma andorinha só não faz verão. Por isso devo agradecer aos milhares de leitores que ajudaram a construir este blog, lendo, compartilhando e comentando as postagens. Já recebi excelentes indicações de livros, descobri podcasts e aprendi bastante com os debates nos comentários. Valeu pessoal! Para não dizer que não falei das flores, olha os números aí (!):

47 mil visualizações de página: obrigado, leitores!

Além da força dos leitores, o Diário teve a sorte de conhecer blogs e sites que impulsionaram as visualizações. Apesar de grande parte do tráfego vir do próprio buscador do Google e mesmo da página do Facebook, a conexão com o blog do Luciano Ayan e a parceria com a Central do Búfalo renderam ótimos frutos. Além disso, os blogs Conspiratio e Peruíbe nas Trevas e o site Libesfera também ajudaram bastante a divulgar o Diário. Valeu gente!

Embora não ganhe um centavo administrando postagens semanais para este blog, tenho uma enorme satisfação ao ser recompensado simbologicamente com este trabalho quase altruísta de iluminar mentes. Cada pessoa que deixa de votar no PT, cada pessoa que conhece Olavo de Carvalho, e cada pessoa que deixa de acreditar no socialismo me fornece combustível para continuar escrevendo estas palavras. Sim, é possível deixar de ser idiota-útil!

Para comemorar (e para finalizar), seguem os links das postagens mais acessadas do blog - que não foram necessariamente as melhores, mas as mais populares. Mais uma vez obrigado. Boa leitura!






domingo, 20 de julho de 2014

A Direita é discriminada no Brasil, por quê? (Parte III - Final)

Além de desvincilhar-se da imagem de "ditadura militar", a direita deve saber separar estado e religião e sempre discursar utilizando a lógica e o raciocínio embasado. Veja aqui a última parte da série!

A direita é discriminada no Brasil, por quê?
Parte I Parte II - Parte III

ERROS DA DIREITA NO BRASIL - PARTE III

Erro 7 - Não desassociar sua imagem da ditadura militar

Para a maioria das pessoas - inclusive estudantes universitários, ser de "direita" equivale a compactuar-se com a ditadura militar, e consequentemente, defender a tortura e o assassinato de opositores inocentes. Ironicamente, foi justamente a esquerda que mais assassinou, torturou e fuzilou pessoas ao longo da história mundial. Malgrado este histórico repugnante, ao contrário do que ocorre com a direita, a imagem do esquerdista é comumente associada à "justiça social" e à "altruísmo". Será que matemática básica é tão difícil assim? É só contar o número de mortos, oras.

Em março de 2014, houve uma reedição da Marcha da Família com Deus pela Liberdade que pedia a intervenção militar no Brasil, reunindo apenas 500 pessoas no centro de São Paulo. Muitos eleitores "de direita", incluindo eu, não concordam com uma nova intervenção, mesmo compreendendo perfeitamente os argumentos dos nacionalistas que a enxergam como único meio para parar as loucuras administrativas do PT. Mesmo assim, esse evento ajudou a reforçar o falso esteriótipo da "direita torturadora". E aí?

A intervenção militar seria totalmente oposta aos ideais liberais-conservadores, que incentivam a liberdade econômica e o respeito às instituições democráticas.

O governo militar praticou um enorme esforço histórico ao salvar o país do comunismo, mas também fez bobagens. É preciso reconhece-las para ganhar o debate, incluindo as torturas e os devaneios econômicos. É necessário assim, mostrar a incompatibilidade dos ideais liberais-conservadores com as políticas adotadas no governo militar: intervencionismo econômico e criação de empresas estatais é incoerente com os ideais de liberdade e livre mercado. Além disso, nós, os "malditos direitistas" defendemos a solidez democrática e o respeito às instituições, conceitos exatamente opostos à "ditadura". 

Erro 8 - Falar coisas sem ter certeza

Pastor Malafaia,
parcialmente correto.
Todos nós sabemos que esquerdistas são exímios especialistas em falar bobagens sem sentido. Porém, ao contrário deles, nosso livre pensamento é escanteado o tempo todo na mídia e nas universidades. Assim, nas raras vezes em que adquirimos algum espaço para comunicação, não podemos nos dar ao luxo de discorrer sobre temas que não compreendemos, com o grave risco de sermos fuzilados culturalmente.

Um famoso episódio deste massacre é a polêmica ocorrida no programa De Frente com Gabi, na qual o Pastor Silas Malafaia proferiu um discurso sério e consistente contra a ditadura da militância gayzista [o vídeo está no final da postagem]. Entretanto, apesar de falar muitas verdades, Malafaia afirmou, sem provas, que a homossexualidade tem origem puramente comportamental. O resultado da insensatez foi um vídeo-resposta do geneticista Eli Vieira desmentindo o pastor com inúmeros estudos científicos internacionais. Quem está certo? Não sei, confesso que não entendo nada de genética. Só sei que com essa polêmica a direita ganhou mais um um status de reacionária e inimiga da ciência.

Erro 9 - Confundir política com religião

Sou cristão e reconheço que os evangélicos e os católicos têm feito um excelente trabalho no congresso, barrando projetos totalitários e freando a implantação do marxismo cultural em nosso país, principalmente em relação ao aborto e à cartilha gay. Não arrisco em dizer que fiéis são um dos maiores obstáculos para a dominação cultural gramscista no Brasil. Neste aspecto estão de parabéns.

Apesar de tentador, as convicções religiosas não devem extrapolar o campo cultural. Não sou esquerdista, mas estado laico é fundamental.

Entretanto, devemos sempre ter em mente que apesar da liberdade religiosa ser assegurada no Brasil, somos um estado laico. Portanto, por mais corretos que estejam, parlamentares que discursarem argumentando teologicamente irão perder a razão. Um exemplo famoso é o polêmico caso do aborto, que divide até mesmo "direitistas". Quem porventura afirmar que "o aborto deverá ser proibido porque Deus não permite", irá perder feio a discussão jurídica. Ao invés disso, seria muito mais eficiente argumentar que "o aborto deverá ser proibido porque fere o direito à uma vida inocente". Religiosos, embora o sejam, devem sempre utilizar fatos concretos em sua retórica. Querendo nós ou não, a Bíblia somente serve de argumento para os cristãos, e não para modificar as leis de nosso país.

Outro caso bastante delicado é o do casamento gay, que é condenado pela Bíblia e consequentemente, pelos conservadores religiosos. Embora os católicos e evangélicos tenham suas convicções morais - o que é realmente louvável em um mundo indecente - o estado não tem o direito de interferir na vida privada dos indivíduos. Se um casal homossexual quiser se casar, qual o argumento não-teológico para proibir tal manifestação? Não devemos confundir "homossexualidade" com "ditadura gayzista".

Erro 10 - Não ler o Diário de um Ex Comunista

Esse é o erro mais grave!

---

Enfim, que estes erros sirvam para mudarmos nossas atitudes e reavermos estratégias políticas para não sermos mais vistos como "reacionários sem coração" ou "caras que não gostam de pobres e minorias". Ressaltando que esta série não tem o intuito de ofender, denegrir ou dividir a direita nacional, mas sim de apontar para possíveis correções, que fazem parte de um ponto de vista particular e unilateral. Evidentemente, vocês poderão ter opiniões diferentes. Que fiquem à vontade para expressá-la nos comentários. Obrigado!

sábado, 12 de julho de 2014

Lições da seleção alemã para o povo brasileiro

Depois de tomar sete gols da Alemanha e três da Holanda, o humilhante futebol brasileiro encerra um ciclo histórico de orgulho ufanista e prova que esforço (ainda) é mais eficiente que malandragem. 

"Nunca na história desse país" a seleção foi tão vergonhosamente humilhada em campo: engoliu dez gols em dois jogos, sendo três da Holanda, a Laranja Mecânica do futebol, e sete (sim, sete!) provenientes de assustadoras enfiadas de bola da Alemanha. Acabou em quarto lugar.

Apesar de amarga, esta sucessão de derrotas extravasa o simples domínio do futebol e provoca uma série de reflexões acerca do próprio perfil do brasileiro, que gosta de "levar vantagem em tudo", como diria o ex-jogador Gérson em uma propaganda de cigarros nos anos 70. A goleada alemã não foi simplesmente uma questão futebolística, mas sim representou a vitória do planejamento e da organização sobre o jeitinho brasileiro e o sobre otimismo inconsequente de nosso povo. Provou-se que a Ópera de Wagner pode ser melhor do que a Ópera do Malandro. E aí, Brasil?

Convenhamos. A pífia atuação no mundial só nos provou o óbvio: somos o país do descaso, do jeitinho brasileiro, do Zé Carioca, dos boêmios devassos do samba. Não é só futebol: a exemplar organização da seleção da Alemanha reflete a própria personalidade de seu povo, que ao contrário de nós, desconhece a Lei de Gérson. Já Felipão, fanfarrão como sempre, confiou demais no menino Neymar e no jeitinho brasileiro. Deu no que deu.

Sendo otimista, a "copa das copas" - como gosta de afirmar tal presidenta por aí, pode ficar na história como a época em que o conto de fadas acabou. Mal acostumado com a genialidade de craques homéricos como Pelé, Garrincha, Rivelino ou até mesmo Ronaldinho, Rivaldo ou Romário, o brasileiro ingenuamente tem um profundo e genuíno orgulho de seu futebol arte, que representa a mais intocável honra nacional. No entanto, com a sucessão de vexames, manchou-se a honra da camisa pentacampeã e brotou-se a vergonha dos gramados, ofuscando o brilho futebolístico vigente. E uma vez encerrada a temporada de orgulhos levianos, reabre-se uma ferida inconveniente que nos assola há 500 anos: o Brasil é um país pobre e subdesenvolvido que carece não de estádios, mas sim de infraestrutura básica.

Diário de Pernambuco cita a disciplina da seleção alemã. É o que falta para o povo brasileiro, inclusive fora do futebol, viu?

Pior do que perder o terceiro lugar na "Copa das Copas" é ficar na 112° posição em saneamento básico mundial; estar em 114° colocado no ranking de liberdade econômica planetária e permanecer vergonhosamente posicionado em 32° entre os 40 países participantes do ranking de educação. E isso sem falar nos 50.000 homicídios por ano. Como se não bastasse, segundo levantamento feito pelo Jornal O Globo, somente 50% das obras de mobilidade urbana foram entregues até o mundial, o que prova que não há motivo para orgulho. Com ou sem futebol-arte.

É triste perder de goleada em casa, é verdade, mas não é o fim dos tempos. Pior mesmo é ter que trabalhar cinco meses por ano "contribuindo" para o governo de Gérson sem ser devidamente respaldado por serviços públicos de qualidade. Carecer de educação, saúde, segurança, infraestrutura, democracia e liberdade econômica é a verdadeira humilhação histórica do Brasil. 

Alemanha, obrigado por nos ensinar esta lição. Que o maior esforço vença sempre! 

Berlim:

















Rio de Janeiro:














Fontes:

http://noticias.band.uol.com.br/cidades/amazonas/noticia/?id=100000671325&t=

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/01/1398273-brasil-perde-14-posicoes-em-ranking-de-liberdade-economica.shtml

http://g1.globo.com/economia/noticia/2014/06/na-vespera-da-copa-apenas-50-das-obras-de-mobilidade-foram-entregues.html

http://www.brainstorm9.com.br/50229/brasil/50-capas-de-jornais-brasil-apos-derrota-de-7-x-1-para-a-alemanha/

http://www.youtube.com/watch?v=J6brObB-3Ow

http://www.onu.org.br/brasil-registra-mais-de-50-mil-homicidios-por-ano-alerta-especialista-do-banco-mundial/

http://noticias.terra.com.br/brasil/brasil-e-o-112-em-ranking-de-saneamento-basico-mundial,4db28c72d36d4410VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/05/140508_brasil_educacao_ranking_dg.shtml

sábado, 5 de julho de 2014

A Direita é discriminada no Brasil, por quê? (Parte II/III)

Para a direita crescer no Brasil precisamos fortalecer a oposição e investir no campo cultural, além de parar de falar bobagens extremistas por aí. Continue lendo sobre os erros da direita no país!

A direita é discriminada no Brasil, por quê?
Parte I - Parte II - Parte III

ERROS DA DIREITA NO BRASIL - PARTE II

Erro 4 – Não investir no campo cultural

Na década de 20, nascia a Escola de Frankfurt, que procurava reformular o marxismo através dos aspectos culturais. Gramsci pregava que para a tomada de poder, seria necessário o aparelhamento ideológico, e não militar. Deu certo: hoje as universidades, os órgãos de pesquisa, os meios de comunicação e as artes são completamente infiltrados pela mentalidade revolucionária. E isso foi crucial para a consolidação do poder.

Há quase 100 anos a esquerda vem traçando intrincados planos para a dominação cultural. Com sucesso, conseguiram através das artes e da cultura, provar erroneamente que somos sem coração, defensores da pobreza e contra as minorias. Enquanto isso, os esquerdistas marqueteiros que bolaram toda essa estratégia ficaram com a imagem de benevolentes, altruístas, e defensores da humanidade.

Aqui ficava a Escola de Frankfurt. Sabe o que eles estudavam lá!? Táticas de guerrilha cultural para a esquerda tomar o poder!

Para revertermos essa difamação precisamos investir no campo cultural, dentro e fora das universidades. Fico feliz quando vejo sites e blogs liberais-conservadores levando conhecimento à população, ou quando entro em uma livraria e vejo um livro de Olavo de Carvalho logo na vitrine. Todavia, ainda é pouco. Precisamos estar nas universidades, através de pesquisas científicas, congressos e debates, quebrando de vez a hegemonia de esquerda.

Erro 5 – Identificar-se com correntes políticas ou ideológicas extremistas.

Sejamos francos: o fanatismo é uma patologia humana que existe tanto na esquerda quanto na direita. O problema é que quando acontece com eles ninguém liga. O esquerdista tem a moral suficientemente corrompida para aceitar e/ou incentivar extremismos como a defesa de Stalin ou Che Guevara. 

Já o extremismo de direita, além de ser politicamente equivocado, é um tiro no pé para todos nós. É preciso dizer que a mídia brasileira tende a generalizar: se 1% dos direitistas forem extremistas, é justamente estes que aparecerão na TV, sendo responsáveis por caracterizar todo o grupo.

Que *&#@* é essa!? Um Stálin ao contrário!? De que esgoto saem criaturas como essa?

Um exemplo clássico é o ocorrido com a filosofia da real, ou o masculinismo brasileiro. Trata-se de uma irmandade conservadora que tem como objetivo aconselhar e ajudar os homens no seu desenvolvimento pessoal. Ao longo de quase dez anos de existência, a Real fez um ótimo trabalho tirando homens da miséria intelectual e emocional. Entretanto, há pouco tempo atrás, um grupo misógino e racista denominado Sanctos começou a tocar o terror pela internet, clonando blogs, incentivando a pedofilia e o maltrato a animais. O resultado? Toda a filosofia da real, que outrora tinha ajudado milhares de homens, ficou seriamente manchada por causa de meia dúzia de extremistas!

"Obrigado" por manchar a imagem
da direita com ideias imbecis!
Ainda falando de extremismo, não adianta nada provarmos através de um amplo esforço literário que o nazismo é de esquerda (e realmente é), se existem grupos neonazistas que se identificam com ideais conservadores. Gente, neonazismo? Já não bastam seis milhões de mortos no holocausto judeu? 

Sei que estes casos são a minoria, e reconheço que a maior parte das pessoas que se identificam com a direita têm boas intenções, defendendo a liberdade e o livre mercado, mas um grupelho fazendo bobagem é o suficiente para manchar a nossa imagem para toda a população, e precisamos ficar atentos a isso!

Erro 6 – Ter falta de atitude

Botando mais lenha na fogueira, trato da morosidade daqueles que ainda se dizem de direita no Brasil. Em um país no qual a oposição é fraca e a situação é forte, somente um grande esforço político poderá livrar os brasileiros do caos. Enquanto Dilma e Lula estão tentando controlar o país através de legislações autoritárias, Aécio, que nem de direita é, tem mania de aparecer em vídeos elogiando a popularidade do ex-presidente. Cadê a oposição aí? 

Essa é a nossa oposição! Dois partidos de esquerda brigando pelo poder, uau!

Apesar de todas as barbaridades que fizeram, os petistas aparentam ser muito queridos Brasil afora, principalmente no Norte e no Nordeste. Com medo de perder votos dessa fatia da população, a oposição tem medo de meter as caras e criticar as burradas do governo. Com isso, o espectro político nacional acaba virando um grande marasmo, sem graça, sem sal.

Já vi essa história antes hein!
Falta um partido abertamente liberal, que defenda o capitalismo, o livre mercado e as liberdades individuais. Falta um partido abertamente conservador, que defenda a moral, a família e a prudência. Falta um partido libertário, que defenda a liberdade irrestrita e o enxugamento do estado. Onde estão estes partidos? Cadê? Definitivamente, falta atitude para as diferentes “correntes” da direita se projetem no cenário nacional. Falta atitude!