sábado, 28 de junho de 2014

A Direita é discriminada no Brasil, por quê? (Parte I/III)

Para que a direita ganhe espaço no espectro político-partidário, é necessário mudar atitudes, rever conceitos e investir pesado em marketing. O que está faltando para crescermos?

A direita é discriminada no Brasil, por quê?
Parte I Parte II - Parte III

Todos nós falamos dos erros da esquerda - que são muito graves e evidentes, mas que tal arrumarmos a bagunça de casa para tentar melhorar a nossa imagem para o público em geral? Visando tal possibilidade, a postagem tripla "A Direita é discriminada no Brasil, por quê?" visa fomentar um debate entre articuladores, escritores, pensadores, cidadãos, políticos e eleitores a respeito desse gigante campo de ideias chamado simploriamente de "direita", que ainda é pouco discutido no país.

ERROS DA DIREITA NO BRASIL - PARTE I

Erro 1 – Não deixar claro que o capitalismo ajuda os pobres e as minorias

A direita nacional é sensivelmente fechada à população em geral: enquanto estamos ocupados demais estudando os autores clássicos do liberalismo e do conservadorismo, o povão acha que odiamos gays, somos racistas, e queremos que os pobres morram de fome. Acho que devemos mudar essa imagem, não? Ou vocês acham que alguém vai conseguir respeito assim?

Minha sugestão é mostrar ao grande público que a direita tem excelentes propostas para o Brasil. Primeiramente, é preciso evidenciar os benefícios do livre mercado e do estado mínimo para a população, convencendo-lhes de que o capitalismo pode salvar os pobres de sua condição de miserabilidade, beneficiando-as independente da cor, do gênero ou da orientação sexual. Não se trata de um convencimento retórico, mas sim de mostrar-lhes a verdade: somente o capitalismo, e não o socialismo bolivariano, poderá trazer progresso social.

Capitalismo funciona sim! Precisamos convencer a população de que a miséria ocorre por FALTA de capitalismo, e não por EXCESSO de capitalismo.

Além disso, é preciso desconstruir a ideia errônea de que a direita é contra as minorias. Ao contrário de nós, a esquerda fornece um suporte extremamente confortável à esses nichos populacionais, convencendo-lhes de que "somente a revolução poderá acabar com o preconceito" que sofrem. Assim, quando um negro, uma mulher, um homossexual ou um índio se interessa por política, vai quase que automaticamente ser convertido à filosofia esquerdista.  Precisamos urgentemente tomar o papel dos revolucionários e dialogar com as minorias, fazendo-lhes compreender que a democracia, o livre mercado, e a igualdade de leis são os melhores antídios à discriminação.

Erro 2 – Inverter as prioridades brigando por bobagens

Quando o navio está afundando, não é hora reclamar da comida. O país está um caos, e não devemos brigar por futilidades. Mesmo assim, não é raro encontrar liberais e conservadores trocando farpas pela internet, como se fossem cão e gato. Um caso bastante famoso é a rivalidade – felizmente já superada, entre Olavo de Carvalho e Rodrigo Constantino, dois grandes e inteligentíssimos articuladores, que se desentenderam em 2012. Infelizmente, brigas também existem aos montes entre páginas do Facebook e sites reconhecidos na internet.

É verdade que existe um abismo entre os subgrupos de direita, sobretudo entre libertários e os conservadores. Liberdade de expressão é saudável, entretanto, precisamos ter a consciência de que estas rivalidades só nos dividem ainda mais, enfraquecendo a defesa para a esquerda, que ao contrário de nós, é unida e coesa. Enquanto brigamos, o PT dá altas gargalhadas com o nosso dinheiro em Brasília!

Olavo de Carvalho (filósofo), Lobão (músico) e Rodrigo Constantino (economista): quando as diferenças são respeitadas, a união dá certo.

É claro que ideias precisam ser debatidas. Tópicos como aborto, legalização das drogas e homossexualidade jamais serão consenso entre todos, mas espera aí! Será que custa fazer isso de forma respeitosa e harmônica? Quanto mais fraternidade política conseguirmos, mais força teremos para combater o nefasto lulo-chavismo que se instalou em nosso país. Nós temos prioridades!

Erro 3 – Reforçar estereótipos falsos de ignorância

Quando os esquerdistas nos acusam de “leitor de Veja” logo ficamos estarrecidos, pois sabemos que nosso conhecimento não se limita a uma revista de banca de jornal - que ao contrário do que eles dizem, é uma das melhores em circulação. No entanto, algumas pessoas de direita, mesmo quando têm razão, não conseguem sustentar um debate com esquerdistas fanáticos.

Isso ocorre justamente porque quase todo o conhecimento acadêmico é anticapitalista. Ao visitarmos qualquer biblioteca, somos deparados com uma enxurrada de livros de esquerda, que acabam fazendo a cabeça dos universitários novatos e perpetuando-se no sistema de ensino. Mas devemos ter consciência de que a direita também têm seus livros-chave, e que é só saber procurar.

Não adianta ser um anticomunista de fachada, se você não conseguir defender sua posição com firmeza.

Para não sermos vistos como "leitores alienados de Veja", precisamos estar muito bem preparados para o confronto de ideias, que diga-se de passagem, normalmente é feito à queima roupa. Discutir com esquerdistas é uma arte que consiste no desmantelamento sistemático de falácias, e perder a batalha significa ser "xingado" de "alienado". A propósito, sabe por que ninguém ganha a discussão com Olavo de Carvalho? Porque ele é o Chuck Norris da filosofia: estudou 50 anos sobre comunismo e leu mais de 2.000 livros sobre o assunto! É claro que provavelmente nunca vamos chegar à esse nível, mas saber o que está falando é fundamental.

O que acham? Será que exagerei demais? Como podemos melhorar estas questões? Deixe sua resposta nos comentários!

domingo, 22 de junho de 2014

Mais 5 xingamentos esquerdistas frequentes: Como se defender

Coxinha! Homofóbico! Machista! Demo-tucano! Elitista! Quando acabam os argumentos da esquerda, somos xingados mesmo! Afinal, "reaças" não têm coração e merecem se ferrar, né! Aprenda a defender-se!

Seja uma discussão política no barzinho ou no Facebook, o cenário é o mesmo: no começo, o esquerdista típico tenta argumentar na defesa de sua ideologia marxista. Depois, ao ser rechaçado e acuado por um “direitista”, apela para golpes baixos: visando uma última esperança de vitória moral, começa a xingá-lo, desqualificando-o perante os demais. Quem nunca passou por isso, não é mesmo?

É por isso que a postagem “5 xingamentos esquerdistas frequentes: como se defender” tornou-se um fenômeno instantâneo, sendo  uma das páginas mais acessadas do blog. Agora vamos à continuação, desta vez refutando as acusações de coxinha, homofóbico, machista, demo-tucano e elitista. 

IMOBILIZANDO O INIMIGO:

1 - SEU COXINHA!

Resposta A) Pelo menos aqui em São Paulo, “coxinha” é o apelido pejorativo para o policial que ao invés de prender bandido fica comendo salgados na padaria. Por essa lógica, “coxinha” é quem gosta de comer de graça, o famoso almoço grátis.  E querer ganhar dinheiro sem trabalhar é coisa de vagabundo esquerdista!!

Resposta B) Nos protestos de julho, militantes recebiam 50 reais e um pão com mortadela para protestar. Então se “coxinha” é o cara de direita, o esquerdista é o “mortadelinha”!  Mortadelinha! Mortadelinha! Mortadelinha! (cantar musiquinha)

Resposta C) Em caso de ofensas pessoais, e em último caso com a discussão já perdida, solte essa: “Já reparou como as coxinhas são gordas? São grandes demais embaixo (barriga) e pequenas demais em cima (cérebro), assim como você!” kkkkkkkkkk

Coxinhas pelo menos são gostosas! Então eu sou uma gostosura, né?












2 – SEU HOMOFÓBICO!

Resposta A) “Fobia” vem de medo, e eu não tenho medo de homossexuais. Homofóbico mesmo é Che Guevara, que fuzilava gays!

Resposta B) “Homofobia” pode designar deste o sujeito que mata homossexuais com lâmpadas (criminoso), até o padre que está somente professando a sua fé (liberdade de expressão). Essa palavra é um caso típico de novilíngua, descrita por George Orwell em 1984. A tática é usar a mesma palavra para gradações diferentes, fazendo qualquer um sentir-se culpado. E essa manipulação é típica das esquerdas. OBS: Esse argumento também vale para o item “3 – Seu Machista!”.

Resposta C) Essa é útil quando você se depara com um gay ofendido: “Não sou contra os gays. Assim como os heterossexuais, eles devem ter a liberdade de casarem e fazerem “amor” com quem desejarem. Mas se vocês querem igualdade, o que acho justo, que igualdade seja feita! O fato de vocês terem orientação sexual diferente não os torna superiores a mim.” 

Não seja homofóbico:
Não tenha medo de gays!











3 – SEU MACHISTA!

Resposta A) Sou a favor da igualdade de direitos e deveres entre homens e mulheres (essa frase já quebra um pouco a raivinha das feministas), mas sabia que meninos têm pintos e meninas têm vaginas? Os gêneros devem ser iguais no âmbito jurídico, mas no biológico jamais o serão.

Resposta B) Estuprar não é machismo, é filhadaputisse. Bater em mulher também. Senão, bater em homens seria o que? Contramachismo? Ou femismo? 

Resposta C) Desmobilizar uma feminista através da zoeira:

Você: “Quando vocês (mulheres) escolhem caras ricos e bombados, não é machismo não, ô criatura?”
Ela: “Não ligo pra músculos e dinheiro, mimimi...”. 
Você: “Então você ficaria comigo né?"
Ela: “Com você não! Argh..."

Contradição detected! The zoeira never ends! \o/

"Não seja machista! Não siga os padrões de beleza: fique comigo!" 
4 – SEU DEMO-TUCANO!

Resposta A) Não sou social-democrata, voto no PSDB por falta de opção. Aliás, o DEM também não é direita, é de centro. Aliás, sabia que não existe partido de direita no Brasil? Sabia que vocês (esquerdistas) dominam todo o espectro político? Reclamar de barriga cheia! Que feio!

Resposta B) Se apresentar qualquer sinal de direitisse é ser “tucano”, então você é um petralha! Petralha! Petralha! Petralha! (fazer igual o Kiko do Chaves). 

Resposta C) Em caso de defesa do PSDB: “Tucanos roubam também (metrô, CPTM, etc), mas o PT foi o primeiro partido a institucionalizar a corrupção comprando votos. Além disso, quero ver petista ter a coragem que FHC teve, fazendo o Plano Real e privatizando as empresas pelo bem do Brasil”. (neste momento, se prepare para uma saraivada de chiliques).

Vai se achando não: vou votar em você por falta de opção!











5 – SEU ELITISTA! 

Resposta A) Elitista mesmo é Fidel Castro, Che Guevara e Kim Jong-Un, que usam rolex no pulso! E a esquerda caviar também né? É muito fácil para José de Abreu, Maitê Proença e Wagner Moura defenderem o socialismo ganhando milhões pela Globo, não é mesmo? 

Resposta B) O capitalismo é o melhor modelo econômico para salvar os pobres. Graças a ele um favelado hoje em dia vive melhor do que um senhor feudal na idade média. Televisores, computadores, roupas, remédios, e até mesmo o Big Mac nasceram graças ao capitalismo! Ou vai dizer que pobre não gosta de um rolezinho com tênis Nike e camiseta Acrombie? Tsc Tsc...

Resposta C) Utilizando a tecnologia e a revolução verde, o capitalismo tirou milhões de pessoas da pobreza. Enquanto isso, o comunismo causou fome, miséria e privações de toda a natureza. Governos de esquerda só prejudicam os mais pobres! E aí, esquerdinha? Quem é elitista agora, hein?

Essa é a mansão de Fidel Castro. Quem é elitista agora, hein!?

Esse artigo que você acabou de ler tem o
Abraços e boa discussão!
Diário de um Ex Comunista


segunda-feira, 9 de junho de 2014

Breve história do feminismo - Capítulo 5 - Conclusões Importantes

Após o grande sucesso da série Breve História do Feminismo, tem gente achando que "a direita" é a favor de espancar mulheres por aí. É mole ou quer mais?

Breve História do Feminismo.
Capítulo 1 - Capítulo 2 - Capítulo 3 - Capítulo 4 - Capítulo 5

É impressionante a quantidade de questionamentos que recebi por causa da série Breve História do Feminismo, alguns educados outros não, mas isso não vem ao caso. Já esperava uma pitadinha de polêmica - por isso reservei espaço para um post-final-esclarecedor, mas não aguardava essa enxurrada de contestações. Para os que acham que "a direita" espanca mulheres, é preciso colocar uns pingos nos is. Por isso vou destacar e resumir os pontos mais polêmicos desta grande saga:

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Esquerda e Comando Vermelho: Uma relação de amor


A maioria dos brasileiros nem desconfia que o Comando Vermelho e o PCC surgiram graças aos movimentos de esquerda dos anos 70. Entenda melhor essa relação explosiva de amor.

GTA Rio de Janeiro!
Visando uma folguinha sobre esquerdismo e coisas afins, resolvi ler o livro "CV_PCC A Irmandade do Crime" do jornalista Carlos Amorim, que descreve detalhadamente a história das facções criminosas do Brasil. Minha "folguinha" cerebral logo terminou quando constatei: há esquerdismo em quase tudo que não presta, incluindo bandos armados de traficantes. Para minha surpresa, o grau de cumplicidade entre as facções criminosas e as organizações de esquerda é tão elevado que a maioria dos brasileiros sequer desconfia destes laços.