terça-feira, 28 de outubro de 2014

Deu PT, e agora?

Dilma Rousseff venceu às eleições, mas encontrará sérias dificuldades pela frente, como congressistas conservadores, oposição feroz, enfraquecimento da figura do Lula, e um país dividido entre "norte" e "sul".

Por Alexandre Vastella

O país acordou triste, vermelho, de ressaca moral. Pois é, deu PT. Não obstante os escândalos de corrupção, o apadrinhamento estatal, a crise econômica, a desmoralização das forças armadas, e as tentativas de usurpar a democracia através de censura e de golpes de estado, a leviandade venceu a sensatez. Novamente, para a tristeza da nação, Dilma Rousseff foi eleita Presidente do Brasil com 51,63% dos votos, contra 48,36% de Aécio Neves. Será a próxima chefe do executivo nacional por mais quatro longos anos. Já dizia Nelson Rodrigues: "a unanimidade é burra". Paciência. Democracia tem dessas.

Não há motivos para intervenções militares e separatismos, e sim, para unir o Brasil. Apesar da derrota, não há (tantos) motivos para pânico.. Se Lula e Dilma, até então, governaram o país praticamente sem dificuldades, o cenário vai se modificar drasticamente á partir de 2015, freando as loucuras socialistas do PT. A eleição do congresso "mais conservador desde 1964"; a oposição mais forte e organizada desde 2002; o fim do inquebrável Lula messiânico; a fragmentação geográfica do eleitorado nacional; e à longo prazo, a ascensão da direita no Brasil, poderão representar sérios entraves ao totalitarismo petista, e enterrar de vez o projeto de poder do partido. Veja as pedras no sapato que Dilma terá que encarar até 2018:

Pedra no Sapato 1 - Congresso conservador

Para conseguir implantar os projetos bolivarianos do PT, Dilma Rousseff (poder executivo) precisará de apoio no poder legislativo. Entretanto, ao contrário do que ocorreu nos outros mandatos, inclusive em seu anterior, este apoio será bem mais difícil à partir de 2015. De acordo com dados do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), o Congresso Nacional em 2015 será o mais conservador desde 1964, com o aumento de militares, religiosos e ruralistas. Ainda que seja um "conservadorismo" disperso, manco e caricato. Somente Jair Bolsonaro (PP), Luiz Carlos Heinze (PP) e Marco Feliciano (PSC), figuras tradicionalmente odiadas pela esquerda, totalizaram mais de um milhão de votos! De acordo com levantamento do Jornal Folha de São Paulo, a bancada evangélica passará de 71 membros para 80; a ruralista, de 60 para 70; e a da segurança, passará a ter 20 parlamentares.

Se você acha que o PT é todo-poderoso, conheça um dos Congressos mais pedra-no-sapato da história!
Além disso, o Jornal O Globo aponta que a base governista encolheu: o PT perdeu 18 deputados, e o PMDB, 13, facilitando os futuros projetos da oposição. Esse enfraquecimento também foi observado no Senado Federal, que perdeu dois senadores governistas e ganhou um oposicionista - 53 à 27 (2010) contra 51 à 29 (2015) - consolidando nomes como Álvaro Dias (PR), Kátia Abreu (TO), Ronaldo Caiado (DEM), e José Serra (PSDB). Assim, o aumento dos setores oposicionistas no Congresso deverá ser eficaz ao barrar projetos que firam a liberdade individual como o Decreto 8.243, a Reforma Política e a Constituinte, meninas dos olhos do PT.

Pedra no Sapato 2 - Oposição fortalecida

Sufoco para os vermelhos. Esta foi a eleição mais acirrada desde a redemocratização do Brasil em 1985. Acostumada com a vitória fácil - como em 2002, em 2006, e em 2010 -  certamente a cúpula do PT não esperava o perrengue destas eleições. De fato, é a primeira vez que a aura messiânica do Lula [próximo item] não é traduzida em votos dóceis e garantidos para o partido. Levando em consideração a elevada taxa de abstenção (21%) e a porcentagem de votos válidos em Dilma (48%), conclui-se que a maior parte da população NÃO votou em Dilma Rousseff. O PT representa a minoria do povo brasileiro.

Como raras vezes na história da política nacional, o descontentamento tomou as ruas. Houve atos pró-Aécio espontâneos em dezenas de cidades do Brasil. Somente em São Paulo, foram quase 20.000 manifestantes distribuídos em dois dias de protesto (22 e 25/outubro), que clamaram contra a corrupção, contra o aparelhamento estatal, e contra as diretrizes do PT. Eu estava em ambos, e era fácil captar a onda de revolta e inconformismo no ar. Como disse José Serra, no carro de som: "tratou-se de um momento histórico", talvez a maior manifestação desde as Diretas Já (1985) ou o Movimento Estudantil Brasileiro (1992).

Ato Pró-Aécio em São Paulo (foto minha).Isso era INIMAGINÁVEL nas eleições anteriores.
A história prova que presidentes impopulares como Getúlio Vargas (era democrática), Jânio Quadros, João Goulart e Fernando Collor, embora eleitos, não conseguiram governar devido à falta de aprovação dos diferentes setores da sociedade, como vem acontecendo com Dilma Rousseff. E a maioria está contra o PT: o empresariado, o setor agrícola, a classe média, a maçonaria, as igrejas protestante e católica, e as forças armadas constituem setores amplamente insatisfeitos. Pouco antes das eleições, o Datafolha apontou que 26% dos brasileiros reprovavam o governo Dilma, e 39% o achavam regular, totalizando uma massa de 65% de descontentes. Na mesma pesquisa, a aprovação era de apenas 25%.

Pedra no Sapato 3 - Fim do "Lula messiânico"

O sucesso das reformas econômicas implementadas pela gestão tucana de Fernando Henrique Cardoso (1994-2002), marcadas pelo Plano Real - redução da inflação de 2.477,15% (1993) para 7,67% (2001) (IPCA/IBGE), pelas privatizações, e pelo controle de gastos através da Lei de Responsabilidade Fiscal, foram responsáveis pela retomada do crescimento econômico e pela melhoria da qualidade de vida da população. Já com a economia em ordem, bastaria o próximo governo ampliar os programas sociais iniciados por FHC no final de seu mandato, que visavam a redução da fome e a redistribuição de renda.

Não foram só as reformas tucanas. O favorável cenário econômico internacional, caracterizado pelo crescimento chinês e pela alta no preço das commodities também forjaram o Lula messiânico, o mito Lula, o Deus Lula, ou o salvador dos pobres. Virou até filme: Lula, o filho do Brasil. Um falso herói, que garantiu a vitória esmagadora do PT em 2006, e em 2010; neste último elegendo sua cria política. Dilma Rousseff.

Nas últimas eleições, não obstante o apoio de Lula, Tarso Genro perdeu às eleições para o governo do Rio Grande do Sul, e Alexandre Padilha sequer chegou ao segundo turno em São Paulo, surpreendendo grande parte da cúpula do PT. A própria Dilma Rousseff, mesmo usando capital político do ex-metalúrgico, venceu com apenas 51% dos votos válidos. O que aconteceu, Lula?

Messianismo dura pouco. Não existe milagre: economia fragilizada, aparelhamento estatal, elevada carga tributária, volta da inflação, baixo crescimento, e corrupção generalizada foram, pouco à pouco, desmistificando o "Lula salvador" e manchando a imagem do PT no imaginário popular. Pela primeira vez na era lulo-petista, o Sr. Luiz Ignácio está desmoralizado, e Dilma Rousseff deverá caminhar com suas próprias pernas. Nem síndico de prédio Lula consegue mais apoiar.

Pedra no Sapato 4 - Cisão nacional

Contraditoriamente, é a primeira vez na história deste país, que a luta-de-classes idealizada por Marx e vociferada pelo discurso de ódio do PT, pode se virar contra o próprio feiticeiro. A política do "nós contra eles" pode ser um tiro no pé. Explico.

Apesar dos resultados apertados nesta eleição, a cisão geográfica foi bastante nítida na preferência dos candidatos. A maioria dos eleitores dos estados das regiões sul, sudeste, e centro-oeste votaram em Aécio Neves; mas o 13 de Dilma Rousseff predominou no norte e no nordeste do país. Ora, mas por que isto pode ser uma pedra no sapato do PT?



Independentemente das razões que provocaram essa cisão - são muitas, e não pretendo analisá-las aqui - é evidente que houve uma clara polarização entre "sulistas" e "nortistas" nesta eleição. Os "nortistas", vitoriosos com Dilma, saíram tranquilos desta apuração. Porém, a população "sulista", que já estava cansada com o PT, saiu amargamente derrotada. Assim, democraticamente falando, Dilma NÃO está representando esta população, que na linguagem marxista é a "detentora dos meios de produção". Assim, ao contrário do que ocorreu nos dois primeiros mandatos de Lula, o "amiguinho dos banqueiros", Dilma poderá ser a inimiga política da elite econômica e da chamada "classe pensante" do país.

Pedra no Sapato 5 - Onda liberal-conservadora

A longo prazo, a pedra no sapato definitiva na vida do PT poderá ser a organização e a partidarização das diferentes correntes ideológicas agrupadas no espectro político da "direita", que segundo pesquisa divulgada pelo Datafolha no início deste ano, tem adesão de 45% da população brasileira. Como não existem partidos liberais, libertários e conservadores no Brasil, este segmento representa um grande órfão eleitoral, ficando refém da tradicional polarização PT x PSDB.


Este cenário está mudando com uma velocidade surpreendente. Quebrando um jejum de vários anos sem oposição liberal, o Partido Novo conseguiu unir mais de 500.000 assinaturas e registrar sua sigla no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), um projeto fundamental para o Brasil. Os libertários estão se unindo através do Liber, partido que defende o livre mercado e as liberdades individuais. Na ala conservadora, existe o Partido Militar Brasileiro (PMB), que segundo os criadores, é "a solução para endireitar o Brasil". Tudo isso está ocorrendo simultaneamente.

Nas eleições municipais de 2016, o já existente Partido Novo poderá lançar candidatos, inundando as prefeituras do país; e talvez em 2018, já tenha uma estrutura adequada para formar presidenciáveis. De uma forma ou de outra, a hegemonia da esquerda está sendo quebrada com o surgimento de futuras novas lideranças e coligações, e o principal prejudicado deverá ser o projeto de poder do PT.

--

Conclusão: chorar na Cantareira, uma ova! O gigante acordou!
Por Alexandre Vastella

Fontes:

http://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,congresso-eleito-e-o-mais-conservador-desde-1964-afirma-diap,1572528

http://g1.globo.com/politica/eleicoes/2014/blog/eleicao-em-numeros/post/pt-e-pmdb-encolhem-mas-mantem-maiores-bancadas-no-congresso-psdb-cresce-na-camara.html

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1529052-mais-conservadora-camara-deve-barrar-acoes-liberalizantes.shtml

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/eleicoes-2014/noticia/2014/10/luis-carlos-heinze-e-o-campeao-de-votos-gaucho-para-o-congresso-4614760.html

http://eleicoes.uol.com.br/2014/noticias/2014/10/05/bolsonaro-rj-e-eleito-deputado-federal-no-rj-com-o-maior-numero-de-votos.htm

http://noticias.gospelmais.com.br/400-mil-votos-marco-feliciano-reeleito-deputado-federal-71685.html

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/saiba-quem-sao-os-27-senadores-eleitos

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2014/10/recompor-base-governista-no-congresso-sera-desafio-para-dilma.html

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/ato-pro-aecio-reune-10-mil-em-sp-repulsa-a-roubalheira-mobiliza-manifestantes/

http://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/2014/09/1509007-governo-dilma-e-aprovado-por-35-dos-brasileiros.shtml

http://divulga.tse.jus.br/oficial/index.html

http://www.idealsoftwares.com.br/indices/ipca_ibge.html

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.836.htm

http://g1.globo.com/politica/eleicoes/2014/blog/eleicao-em-numeros/post/dilma-vence-em-15-estados-aecio-em-12-e-no-df.html


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

5 contra-argumentos IRREFUTÁVEIS para DESTRUIR petistas para sempre!

Veja quais são os cinco argumentos mais utilizados pelos petistas e saiba como desconstruí-los de forma poderosa, definitiva, e praticamente irrefutável. Não é exagero: a razão está do nosso lado!

Ultimamente, devido às eleições, tenho me envolvido em dezenas de debates infrutíferos com lambedores de salto de Dilma Rousseff e petralhas chatos de plantão. Quem é leitor assíduo do blog pôde inclusive, ter percebido que as postagens diminuiram de frequência aqui no blog. Antes de pedir desculpas pela ausência, tenho que dizer que, modéstia à parte, venci todas as discussões, deixando os lulistas em cólera com as suas respectivas ignorâncias, o que me rendeu uma saraivada de xingamentos e difamações. Por pouco, não sou devorado pela militância histérica do PT.

"Dããã Tucalha reaça!"
Ficar lutando na trincheira ideológica, enfim, me deu prática suficiente para lapidar alguns contra-argumentos preciosos, golpes certeiros e poderosos que  até agora imobilizaram TODOS os petistas que encontrei pelo caminho. Curioso para saber quais são? Aí estão os principais:





DESTRUINDO DISCURSOS PETISTAS COM CONTRA-ARGUMENTOS PODEROSOS

1 - "No governo de FHC a população passava fome! Mas no governo do PT, a miséria diminuiu! Se você vota no PSDB, você é a favor da pobreza! Insensível!"

"PSDB é contra a 
redução da pobreza."
Contra dados não há argumentos: os indicadores sociais de pobreza e fome realmente melhoraram na era petista. Durante os governos Lula e Dilma, houve a emergência da classe C, a retomada do consumo e a melhoria das condições sociais como um todo. Mas esse crescimento aconteceu APESAR do governo, e não POR CAUSA do governo. Explico:

- O governo Fernando Henrique Cardoso governou um país DESTRUÍDO pela inflação galopante e pela grave recessão dos anos 1980, provocada pelos efeitos da Crise do Petróleo e do fim do Milagre Brasileiro, tendo que lidar com graves crises mundiais, como a asiática, a argentina, a russa e as intempéries na bolsa de valores. Mesmo enfrentando uma TEMPESTADE de problemas internos e externos, FHC estabilizou a economia através do Plano Real, privatizou as empresas públicas ineficientes e retomou o crescimento do Brasil, botando a casa em ordem! É ou não é de se admirar?

- Quando Lula tomou posse na presidência em 2003, o contexto internacional era TOTALMENTE diferente de quando FHC assumiu em 1994. Na primeira década do século, o crescimento chinês alavancou o preço das commodities (soja, carne, minério; enfim, tudo que o Brasil produz), e provocou uma demanda internacional por esses produtos, aumentando as exportações nacionais e dinamizando a economia. Além de assumirem com a CASA EM ORDEM, os políticos do PT se aproveitaram de um CONTEXTO INTERNACIONAL FAVORÁVEL, privilégio que o PSDB não teve na década de 1990.

- Quem faz o país crescer é a iniciativa privada, através do agronegócio, da indústria, dos serviços, e da tecnologia; e não através benesses do governo. Durante o mandato de Dilma, o Brasil cresceu menos que a média mundial, menos que a média latino americana, e menos que TODOS os países dos BRICS. Logo, se o governo não fosse TÃO INTERVENCIONISTA, poderíamos aproveitar melhor o contexto internacional favorável desse início de século, crescendo MUITO MAIS.

2 - "Mas e o Bolsa Família? Não teve papel nesse crescimento? Hein tucanalha?"

"Direitistas não gostam de 
pobres" 
Na maioria dos casos, os petistas irão dizer que o Bolsa Família - que representa menos de 1% do PIB nacional - foi um dos responsáveis pela melhoria da qualidade de vida da população, sobretudo nas regiões mais carentes como o Nordeste, tirando milhões de pessoas da pobreza. Existem inúmeros estudos e dados que endossam esse argumento, então NÃO tente dizer que "é preciso ensinar a pescar o peixe", ou que "o bolsa família é uma compra de votos", porque isso realmente NÃO funciona no debate político. NÃO cometa esse erro, até porque o próprio Aécio Neves irá expandir o programa. Então, para desarticular os militantes vermelhos, diga o seguinte:

- O PSDB foi o verdadeiro pai do Bolsa Família: Fernando Henrique Cardoso criou o Bolsa Escola, o Bolsa Alimentação, e o Auxílio-Gás. Em 2001. Lula, o espertalhão, simplesmente reuniu todos esses benefícios, roubando a paternidade do programa para si. Ao contrário do que dizem os alarmistas, se eleito, Aécio Neves vai MANTER e AMPLIAR os benefícios concedidos. Inclusive, se FHC tivesse sido reeleito para um terceiro mandato, provavelmente teria feito a mesma coisa, pois o Bolsa Família está alinhado com a social democracia tucana. 

- O Bolsa Família é de origem liberal. Ainda nos anos 80, Milton Friedman, em Capitalismo e Liberdade, sugere que o governo deva adotar um programa de "imposto de renda negativo" para combater a fome e beneficiar os mais pobres. Voltando ainda mais no tempo, nos anos 1950, o economista austríaco Friedrich Hayek possuía escritos com propostas semelhantes. O que os petistas chamam de "direita insensível", foram, paradoxalmente, os verdadeiros criadores do Bolsa Família! (esse é um argumento polêmico para os liberais, mas como esquerdistas não os lêem como nós, não saberão rebatê-lo)

3 - "O PSDB privatizou o país, entregando nossas riquezas para os estrangeiros! O PT não é assim!"

"FHC entregou o país, traidor!"
Esse é o argumento mais fácil de rebater:

- A privatização só trouxe benefícios para o Brasil. Linhas telefônicas da estatal TELEBRÁS  eram caras e praticamente inacessíveis, mas a empresa privada TELESP universalizou o acesso ao telefone no país. A Vale do Rio Doce, acusada de ter sido "vendida à preço de banana," cresceu de forma assustadora depois da privatização, gerando atualmente MAIS DINHEIRO em impostos do que gerava em LUCROS para o governo nos anos 1990. As estradas paulistas, que foram privatizadas pelo PSDB, são as melhores do Brasil. A privatização do BANESP e do BANERJ acabou com a farra dos bancos públicos, e a privatização da Rede Ferroviária Nacional alavancou o setor ferroviário no Brasil. Não adianta pestanejar: a privatização tucana DEU CERTO SIM! Deveriam aproveitar e privatizar a Petrobrás também, expulsando toda a corja petista de lá!

- O PT, que tanto criticou as privatizações de Fernando Henrique Cardoso, tomou os mesmos rumos quando assumiu o poder. Além de ter privatizado vários aeroportos, e leiloado o Pré-Sal, o PT privatizou o Correio e a Petrobrás para SI, utilizando-as para fins políticos. Assim como Lênin, Fidel Castro e Deng Xiaoping já sabiam, Lula e Dilma SABEM que até mesmo o socialismo precisa de uma dose de "capitalismo selvagem", pois economia planificada é uma aberração IMPOSSÍVEL.

- Os países de economia livre como Nova Zelândia, Austrália, Suíça, Canadá, Hong Kong, Coréia do Sul e Singapura, possuem alto IDH e excelente qualidade de vida. Já os países de economia fechada como Cuba, Coréia do Norte, e Venezuela, são verdadeiros infernos na Terra. E aí!? Em que grupo você quer colocar o Brasil!?

4 - "O PT criou 20 universidades federais, e o PSDB, nenhuma!"

"Lula criou 20 
universidades, FHC nenhuma"
Normalmente quando surge esse argumento, os defensores de Aécio se calam. Mas temos que considerar duas premissas aí:

- Se hoje qualquer um faz faculdade, agradeça à Fernando Henrique Cardoso, que promoveu uma política de universalização do ensino superior. Nos anos 1990, o PSDB estimulou a criação de faculdades e universidades privadas, expandindo a formação superior no Brasil. Além disso, a maior parte das universidades supostamente criadas pelo PT, são na verdade, instituições que JÁ EXISTIAM antes de Lula e Dilma governarem. Dos 20 pólos citados pela propaganda do PT, 10 foram fusões ou renomeações de universidades criadas anteriormente. Assim fica fácil, né? 


"E o PSDB!?"
5 - "Não adianta criticar a corrupção do PT, porque o PSDB também é corrupto! E a Privataria tucana hein!?"

A corrupção não é exclusiva à nenhum partido, e QUALQUER UM que argumente que "o PT é mais corrupto", irá perder a razão. Apesar dos INÚMEROS casos de bandidagem ocorridos na última década, os petistas numa discussão CERTAMENTE se lembrarão da compra de votos para a reeleição de FHC, do cartel no Metrô de São Paulo, das propinas nas privatizações, do Mensalão Mineiro, e de outros casos, como o Aeroporto de Cláudio e o Helicoca. Como a sujeira é generalizada, fica realmente difícil provar que "O PT é mais corrupto". Para uma avaliação honesta e isenta, seria necessário conhecer TODOS os casos dos DOIS PARTIDOS e somar os prejuízos. Como VOCÊ NÃO IRÁ FAZER ISSO, não caia na armadilha! Diga o seguinte:

- Independentemente do partido, existe corrupção em todas as esferas de governo: municipal, estadual e federal, e em praticamente todos os órgãos públicos. Obviamente, em empresas privadas a corrupção é muito menor! Portanto, quanto MENOS ESTADO, MENOS CORRUPÇÃO. Entretanto, durante os últimos doze anos, o PT agigantou a máquina pública, acarretando no aumento dos casos. O PSDB tem propostas interessantíssimas para a redução do estado, o que irá provocar a redução natural da corrupção. Então é 45!

- Os corruptos do PT foram transformados em heróis: mesmo com todas as provas, José Dirceu e José Genoíno foram considerados "vítimas"; Lula - o chefão mor - "não sabia de nada"; e vaquinhas foram feitas para pagar as multas dos condenados do mensalão. Desde quando Dilma assaltou o cofre do governador Adhemar de Barros, até quando disse recentemente em debate que "qualquer um está sujeito a corrupção", a verdade é que roubar faz parte do próprio modus operandi do socialismo petista. Entretanto, ao contrário do PT, os membros do PSDB nunca se orgulharam de seus podres.

CONCLUSÃO

Esses argumentos são INCRIVELMENTE PODEROSOS, sendo praticamente impossível derrubá-los. Beba deles sem moderação!

-

OBS: O certo seria citar a fonte de tudo isso, mas tomaria um tempo que definitivamente não tenho. Se alguém tiver dúvida em algum item, poderei prestar maiores esclarecimentos nos comentários. 

sábado, 4 de outubro de 2014

100 Motivos para NÃO votar no PT. Sim, 100!


"Quando digo que o PT está estragando o país, e que um ser humano normal NÃO DEVE VOTAR nessa corja, me chamam de "coxinha sem noção", "fascista", ou coisa pior. Por isso, elenquei 100 (CEM, CEM, CEM!) motivos para NÃO VOTAR NO PT. Poderiam ser MAIS, MUITO MAIS...

Faço um apelo: NÃO VOTE NO PT, CAZZO! Tome 100 bons motivos pra NÃO FAZER ESSA CAGADA NO DIA 5:

Texto enviado pelo leitor Alexandre Vastella, em parceria com o Diário de um Ex Comunista.

1 - O PT quer implantar um regime socialista totalitário no Brasil.

2 - O PT faz parte do Foro de São Paulo, que é o maior inimigo da democracia aqui na América Latina.

3 - O PT protagonizou o maior escândalo de corrupção do país: a compra de votos do Mensalão.

4 - O PT está implantando o Decreto Bolivariano, que submete o governo à um grupo semelhante aos "sovietes" da URSS.

5 - O PT está tentando se perpetuar no poder, através do aparelhamento estatal e da reformulação das leis do país. Conspiração nada!

6 - O PT não é um partido ideologicamente coerente, pois apesar de ser "socialista", dá dinheiro aos banqueiros e aos empresários ricos.

7 - O PT quebrou a Petrobrás, transformando-a num antro de corrupção e num cabidão de empregos.

8 - O PT protagonizou o escândalo da Refinaria Pasadena, que causou um prejuízo de mais de 1
bilhão. E o Petrolão, hein?

9 - O PT aumentou inutilmente a quantidade de ministérios, chegando a vultosos 39, aumentando a ineficiência do estado.

10 - O PT nomeou vários ministros corruptos, que no início do mandato da Dilma, foram exonerados.

11 - O PT inchou o estado brasileiro, num intervencionismo ultrapassado, amarrando e atrasando o progresso econômico do país.

12 - O PT aparelhou a Polícia Federal com "amigos do partido", que produziam dossiês falsos contra opositores.

13 - O PT mandou assassinar Celso Daniel, que era o responsável pela coleta de verba ilegal para o PT.

14 - O PT trata Genoíno e Dirceu - bandidos corruptos, como se fossem heróis salvadores da pátria.

15 - O PT aparelhou o Supremo Tribunal Federal com aliados mansinhos, com a exceção de Joaquim Barbosa, que é um "traidor".

16 - O PT está aliado com o PCC (gestão Haddad) através de vereadores. E lembram da Marta que legalizou as vans do PCC?

17 - O PT apoia a violência no campo e o terrorismo agrário promovido pelo MST.

18 - O PT é a favor do agronegócio, mas fica de flerte com o MST. Decide né?

19 - O PT é a favor da política indianista da FUNAI, que causa desemprego, alcoolismo e prostituição nas reservas indígenas.

20 - O PT promoveu a política de cotas, que é a institucionalização do racismo no Brasil.

21 - O PT é a favor do aborto, e como 80% da população é contra, sempre que esse assunto surge, Dilma posa de "santinha".

22 - O PT, através do Ministério da Saúde, produziu cartilhas ensinando a usar mifepristona, substância abortiva.

23 - O PT apoiou a distribuição do kit-gay para o público infantil, passando por cima da liberdade familiar.

24 - O PT queria implantar a PL122, que limitava a liberdade de expressão dos religiosos acerca da homossexualidade.

25 - O PT implantou a Política Nacional de Direitos Humanos, que reforça os velhos estereótipos marxistas de "opressão patriarcal".

26 - O PT e o MEC, inclusive, promevem a doutrinação ideológica nas escolas, institucionalizando o gramscismo no país.

27 - O PT sucateou as forças armadas, a exemplo do que vem fazendo Chavez.

28 - O PT escancarou as fronteiras nacionais, resultando no aumento do tráfico de drogas e na onda de imigração haitiana.

29 - O PT fez a gente passar muita vergonha na comunidade internacional....

30 - O PT doou 25 milhões de reais ao grupo terrorista Hamas.

31 - O PT, através de Dilma Rousseff, pronunciou-se contra a intervenção americana na Síria.

32 - O PT não retaliou Evo Moralez quando este nacionalizou as instalações da Petrobrás.

33 - O PT aceitou passivamente renegociar o valor da energia produzida em Itaipú, vinda do Paraguai.

34 - O PT, durante os conflitos no Oriente Médio, condenou as ações defensivas de Israel.

35 - O PT apoia o grupo terrorista, sanguinário, e criminoso, das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC)

36 - O PT ficou do lado de Nicolás Maduro durante a onda de protestos na Venezuela.

37 - O PT criticou a espionagem americana, mas utiliza a ABIN para espionar adversários políticos.

38 - O PT não se manifestou, ou manifestou-se timidamente, contra o assassinato de brasileiros no Suriname.

39 - O PT mantem uma sólida amizade com os ditadores Fidel Castro e Raul Castro, tiranos natos.

40 - O PT perdoou a dívida de vários países africanos, custeadas com nosso dinheiro.

41 - O PT não se manifesta sobre a cristofobia, sobre os direitos humanos na China, e sobre as prisões na Coréia do Norte.

42 - O PT apoiou o Almajinehad (Irã) na polêmica sobre as usinas nucleares.

43 - O PT da Dilma faz discursos patéticos como a vez que ela cantou parabéns a Ban ki Moon, ou quando comparou uma criança a um cachorro.

44 - O PT de Lula faz discursos patéticos (de novo sim!), como quando atribuiu a consciência ambiental à Terra ser redonda.

45 - O PT de Lula, também disse que o DEM deveria ser "extirpado" da política nacional. Que democrático, não?

46 - O PT é contra a homofobia, mas Lula disse que Pelotas era uma "exportadora de viados".

47 - O PT abrigou o presidente deposto Manuel Zelaya durante a crise em Honduras.

48 - O PT condeceu asilo político ao terrorista Cesare Battisti, expulso da Itália.

49 - O PT financiou um moderníssimo porto em Cuba, mesmo com nosso país caindo aos pedaços.

50 - O PT financiou o metrô de Caracas, de Hugo Chavez, sendo que o de São Paulo é um dos mais lotados do mundo.

51 - O PT financiou uma hidrelétrica na Nicarágua, mas aqui em São Paulo falta água e energia.

52 - O PT jogou rios de dinheiro fora com a malsucedida transposição do Rio São Francisco.

53 - O PT desperdiçou muita grana com a Ferrovia Transnordestina, que ainda não ficou pronta.

54 - O PT superfatorou absurdamente as obras da Copa, engordando o bolso de muita gente.

55 - O PT disse que depois da Copa a economia ia melhorar, e não melhorou.

56 - O PT, por falta de eficiência na gestão aeroviária, provocou um grande apagão aéreo em 2006.

57 - O PT, mesmo assim, financiou aeroportos internacionais no continente africano.

58 - O PT, apesar de todos os desastres, é contrário à privatização das empresas públicas.

59 - O PT, deveria saber que não é papel do estado sair construindo coisas por aí. Belo Monte é um exemplo disso.

60 - O PT, por sua vez, privatiza para si as estatais como a Petrobrás e os Correios, utilizando-as para fins particulares-políticos.

61 - O PT utilizou os Correios para prejudicar a campanha de Aécio Neves, e distribuir folhetos da Dilma "de graça".

62 - O PT utilizou a Petrobrás para subsidiar o preço do álcool e da gasolina com nossos impostos.

63 - O PT não soube respeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal, gastando mais do que podia.

64 - O PT fez com que a inflação voltasse a ser um tema preocupante para os brasileiros.

65 - O PT fez com que o Brasil crescesse menos do que os BRICS desde a crise de 2008.

66 - O PT, inclusive, foi arduamente contra o Plano Real na época que FHC era ministro.

67 - O PT, na época de FHC, fazia oposição ferrenha aos escândalos de corrupção do PSDB. Quem te viu quem te vê!

68 - O PT (Lula) era contra Sarney e Collor, mas hoje são todos amiguinhos fofos.

69 - O PT elegeu Lula, que confessou não gostar de ler e mentir estatísticas nos debates.

70 - O PT elegeu Dilma, que assassinou o soldado Marcio Kozel Filho na ditadura militar.

71 - O PT elegeu a mesma Dilma, que assaltou o cofre do governador Adhemar de Barros, também na ditadura.

72 - O PT elegeu Lula, que era informante do DOPS, o vulgo "Barba".

73 - O PT instalou a Comissão da (des)Verdade, para punir os militares assassinos e, contraditoriamente, inocentar terroristas assassinos.

74 - O PT elegeu Lula, que tinha uma amante chamada Rosemary, que ficou rica de repente!

75 - O PT elegeu Lula, que tinha um filho, o "ronaldinho dos negócios", que limpava merda de elefante no zoológico, mas ficou riquíssimo do nada.

76 - O PT governa os piores estados do Brasil, com os piores índices socioeconômicos, como Piauí e Acre.

77 - O PT implantou a censura da mídia, através do Marco Civil.

78 - O PT possui uma militância virtual (MAV), especializada em espalhar mentiras pela internet.

79 - O PT, inclusive, fez uma lista negra de jornalistas, que deveriam ser combatidos virtualmente.

80 - O PT cortou verbas estatais das emissoras de Raquel Sheherazade (SBT) e Paulo Eduardo Martins, porque falavam mal do governo.

81 - O PT, ao contrário, financia blogs progressistas com dinheiro da Petrobrás e da Caixa Econômica Federal.

82 - O PT adora controlar a imprensa. Lula dá palestras para Irineu Marinho (Globo) e Dilma vai tomar cafezinho com Lili Marinho (Globo).

83 - O PT queria implantar uma lei reduzindo a publicidade infantil, o que iria aumentar a dependência das TVs à verba estatal.

84 - O PT, depois de cristalizado no poder, tentou impedir a criação de partidos novos no congresso.

85 - O PT queria implantar a PEC 37, que proibia o Ministério Público de investigar.

86 - O PT, depois de Joaquim Barbosa ter "falado demais", queria aprovar a PEC 33, que submetia o STF à autoridade do congresso.

87 - O PT mandou importar 10.000 médicos cubanos, que possuem regime de trabalho escravo.

88 - O PT paga a esses médicos, somente 25% de seu salário, ficando o resto do dinheiro para Fidel Castro.

89 - O PT regulamenta excessivamente a criação de novos cursos de medicina, por isso médicos ganham bem e são raros.

90 - O PT defende o Mercosul, que é um quintalzinho inútil, mas é contra a ALCA, que iria aumentar o nosso comércio com os EUA.

91 - O PT é protecionista demais, impedindo que brasileiros adquiram bens no exterior.

92 - O PT é protecionista demais (2), impedindo que a indústria se desenvolva como deveria.

93 - O PT desestimula o empreendedorismo com uma carta tributária de 40%, uma das maiores do mundo.

94 - O PT cria leis que prejudicam o trabalhador, como a PEC das domésticas.

95 - O PT, através do Estatuto do Desarmamento, proibiu o porte de armas no Brasil, carcerando a liberdade individual.

96 - O PT, talvez por isso, governa um país no qual 60.000 pessoas são mortas por ano.

97 - O PT praticamente nada fez pelas penitenciárias do Brasil, sendo inclusive, contra sua privatização.

98 - O PT, inclusive, é publicamente contra a redução da maioridade penal.

99 - O PT aumentou o teto do auxílio-reclusão, que pode dar quase 1.000 reais por mês à famílias que tenham parentes presos.

100 - O PT mente sistematicamente, todos os dias, e depois Dilma diz que "mentir é coisa de gente sem caráter".

E AÍ!? VAI CONTINUAR VOTANDO NO PT!? ENTÃO VÁ PRA PUTAQUEPARIU!"

Enviado pelo leitor: Alexandre Vastella

Leia também:
13 Motivos para NÃO votar no PT

domingo, 28 de setembro de 2014

O Papel do Estado numa sociedade livre: traçando um paralelo com o Brasil

Para Milton Friedman, o estado deve ser um "árbitro" responsável pela ordem e pela segurança nacional,  deixando o livre mercado desimpedido para chutar a bola do jogo econômico, exatamente o oposto do que acontece no Brasil.

O livro Capitalismo e Liberdade, escrito por Milton Friedman, é uma daquelas jóias-raras que moldam nossa trajetória na busca do conhecimento. Escrito em 1985, constitui uma leitura obrigatória para entender o papel do estado numa sociedade livre. Afinal, até onde deve ir o poder do governo? Ou melhor, para que ele serve? E aqui no Brasil? Como se dá essa relação?

Segundo uma ótica liberal - endossada por Friedman - o governo deve legislar sobre as relações humanas, mas sem participar efetivamente delas; exatamente como um árbitro em um jogo de futebol. Este, apesar de controlar a partida, determinando as faltas e as punições, jamais encosta na bola, deixando o trabalho pesado para os jogadores. Assim, sendo o ser humano imperfeito, o estado tem a incumbência de assegurar a ordem e a segurança necessárias para que liberdades individuais não sejam violadas por aventureiros. Garantindo assim, um clima de paz que permita ao livre mercado atender às necessidades da população.

Para Friedman, o árbitro [estado] deve apenas legislar, deixando os jogadores [empresas] fazerem o jogo acontecer.

É impossível ler Capitalismo e Liberdade hoje em dia sem pensar na condição patológica no qual se encontra o estado brasileiro. Este, principalmente na esfera federal, está muito distante do modelo proposto por Friedman. Temos um governo inchado, agigantado pelo intervencionismo excessivo na economia. O estado se mete em tudo: extração de petróleo; educação dos nossos filhos; entrega de cartas; produção de energia; financiamento de cultura; e até mesmo na vida sexual dos cidadãos. Não por acaso, nada disso funciona direito. E, ao invés de canalizar suas energias para ser eficiente no que realmente é seu papel - arbitrar sobre a ordem das relações humanas, o estado brasileiro prefere perder o foco com atribuições que deveriam ser da iniciativa privada. Temos quantidade, mas não qualidade.

Milton Friedman: um dos maiores economistas do século XX.

É preciso explicar para os burocratas de Brasília, que quem deve "chutar a bola" é a iniciativa privada, numa atmosfera de concorrência que se traduza em preços baixos e melhorias de produtos/serviços, inclusive em setores tradicionalmente controlados pelo poder público como a educação e a saúde. Quanto mais "jogadores" marcando a bola, melhor a partida. O estado brasileiro precisa cair na real: encurtar as asinhas para contraditoriamente, voar mais longe.

--

Esse artigo NÃO É um resumo do livro, tem MUITO mais coisa legal lá, recomendo a leitura integral!

Fonte: Milton Friedman: Capitalismo e Liberdade

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

10 argumentos contra a intervenção militar. Ou: por que a democracia ainda é a melhor solução?

O vergonhoso governo do PT está fazendo com que o apoio à intervenção militar cresça de forma irresponsável no cenário político. Mas se o Brasil está tão ruim, por que ser contra um novo governo militar? Veja 10 respostas aqui.

A explosiva combinação entre corrupção, má gestão econômica, política externa arbitrária, e autoritarismo social, fez com que Dilma Rousseff  (PT) fosse a primeira presidente a entregar o Brasil pior do que encontrou. Nesse cenário caótico, as manifestações a favor de uma intervenção militar são cada vez mais frequentes. Segundo esta corrente política, somente a ação das Forças Armadas poderia salvar o país da iminência do comunismo.

Como bom defensor das liberdades individuais e do estado mínimo, não poderia deixar de explicar os principais motivos para ser contra um novo governo militar. Posso até perder alguns leitores, mas vamos lá:


POR QUE A INTERVENÇÃO MILITAR NÃO É A SOLUÇÃO PARA O BRASIL?

1 - Seria um desrespeito às instituições democráticas

Mesmo com o caos imperando em nosso país, é preciso ressaltar que foi a própria população que colocou o Partido dos Trabalhadores no poder, sendo seus membros eleitos legalmente através das instituições eleitorais; representando assim, uma considerável parcela do povo brasileiro. Infelizmente, não podemos fazer nada se as pessoas são idiotas-úteis ou ignorantes eleitorais.

Uma intervenção militar - embora fosse sanar muitos problemas decorrentes da canalhice petista, seria uma atitude revolucionária que colocaria em risco a saúde democrática de nosso país, que é tão cara aos conservadores e aos liberais de nossa quase-falida terra. 

2 - Não teria apoio popular

Diferentemente do que ocorreu em março de 1964, quando houve um expressivo apoio da população à contrarrevolução, incluindo nesse grupo instituições importantes como a mídia, a maçonaria, e a Igreja; o quadro político atual converge para um ódio generalizado às Forças Armadas, protagonizado por décadas de doutrinação socialista nas escolas e por um imaginário cultural de "tortura" e "desrespeito aos direitos humanos". Pois é. O trauma cultural da ditadura ainda persiste, e furar essa barreira seria um irreparável equívoco político para o Brasil.

3 - Poderia provocar uma guerra civil

Traumatizados com a censura outrora imposta pelos generais do passado, os grupos de comunicação hoje são, em sua maioria, radicalmente contra o governo militar, incluindo os nomes tradicionais como Folha, Estadão, Veja, e Globo (esta última inclusive, pediu recentemente desculpas pelo editorial de março de 1964 que enaltecia o golpe). Sem apoio da mídia - e também dos setores organizados como sindicatos, movimentos sociais, e agremiações estudantis; seria praticamente impossível uma coalizão militar permanecer ao poder sem provocar um descontentamento generalizado. Tal cenário poderia catalisar protestos violentos, levando o Brasil á uma guerra civil como ocorreu na Primavera Árabe egípcia.

4 - O capital estrangeiro iria sair do país, gerando uma profunda crise econômica

Em qualquer lugar do mundo, estabilidade política combina perfeitamente com estabilidade econômica. Se governos democráticos conseguem gerar um ambiente de confiança para que o capital externo se instale no país; governos instáveis, revolucionários ou imprevisíveis geram um clima de desconfiança, afugentando o capital estrangeiro. Desta forma, em caso de intervenção militar, o Risco Brasil dispararia quase que automaticamente, provocando uma aguda crise econômica.


6 - Iria isolar o Brasil no cenário internacional

A democracia é uma tendência mundial. A Organização das Nações Unidas (ONU), através do Fundo de Democracia das Nações Unidas (UNDEF) e do Conselho de Segurança repudia publicamente atitudes anti-democráticas ou ditatoriais, o que poderia isolar o Brasil em caso de intervenção militar. Além disso, o novo governo provavelmente não seria reconhecido pelos ricos e democráticos países da Europa Ocidental e da América do Norte, o que prejudicaria - e muito - as relações diplomáticas internacionais. 

7 - O novo governo militar não teria base para governar

No sistema republicano presidencialista no qual vivemos, o poder executivo - representado pela figura do Presidente da República, precisa necessariamente do Congresso (poder legislativo) para governar. Assim, para "botar a mão na massa", o Presidente deve estar subordinado às leis aprovadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Justamente por isso, o Congresso "deve" ser majoritariamente ocupado pelo mesmo partido do Presidente, ou pelo menos por uma ampla base governista costurada através de acordos políticos. 

Como hoje só existem partidos de esquerda - comunistas, socialistas e sociais-democratas, um governo militar de direita não conseguiria governar sem dissolver o legislativo, como fez o General Costa e Silva em 1968, através do Ato Institucional 5 (AI-5).

8 - Poder demais abriria brechas para censura/abusos

Montesquieu acreditava que para coibir o absolutismo e a centralização autoritária de poder, seria necessário dividi-lo em três esferas distintas: o legislativo, o judiciário, e o executivo; que é o sistema é o que vigora no Brasil.  E, muito embora o PT tente constantemente aparelhar tais instâncias para fins particulares, esta divisão impede - pelo menos teoricamente - a concentração de poder, e garante uma certa saúde democrática. 

Muito provavelmente, uma intervenção militar concentraria poder nas mãos de um seleto grupo de generais, que dissolveriam o congresso [item anterior] e seriam responsáveis por governar sozinhos o país; abrindo brechas para censuras, assassinatos, perseguições, e sandices de todo tipo. Sim, os militares são humanos também. Você confiaria neles?

9 - O exército não aguentaria a pressão

O exército brasileiro atual não possui, nem de longe, o tamanho e a importância que tinha em 1964, ano da contrarrevolução, quando o mundo vivia no terror da Guerra Fria. Atualmente, as forças armadas vivem em um falso estado de pax mundial, estando desmoralizadas moralmente e materialmente, sem condições efetivas de combater. Provavelmente, um governo militar sofreria imensas pressões mundiais, como embargos e sanções econômicas, problemas de aceitação política e exclusão das organizações internacionais; e evidentemente, bastante pressão interna, como protestos acalorados, agitações de movimentos sociais, e boicote da mídia. Será que do jeito que está sucateado, aguentaria o tranco?

10 - Iria gerar o efeito contrário, fortalecendo o comunismo

O comunismo é uma ideologia internacional, fortemente solidificada no marxismo cultural, no Foro de São Paulo, nos remanescentes da KGB, e contraditoriamente, no crescimento econômico da China. Desta forma, seria de uma ingenuidade absurda acreditar que uma intervenção militar fosse livrar o Brasil da ameaça vermelha. Muito pelo contrário, a história prova que as proibições de partidos comunistas durante a Era Vargas (1930-1945) e durante a Ditadura Militar (1964-1985), paradoxalmente coincidiram com a ascensão do próprio comunismo no país! Portanto, partindo dos pressupostos de que o comunismo é global, e de que a proibição desta ideologia não surte efeitos práticos, uma intervenção militar seria inócua.

11 - Motivo bônus: Iria acabar com a direita no Brasil

Um dos maiores obstáculos ao crescimento da oposição liberal-conservadora no Brasil é a equivocada associação entre "ditadura" e "direita" por  parte da população. Por vigarice intelectual ou por pura falta de conhecimento, todas as bobagens feitas pelos militares, como torturas e assassinatos, foram debitadas na conta da direita. Se houvesse um novo governo militar, possivelmente novas bobagens seriam feitas [como já citado nos itens anteriores], fertilizando ainda mais o imaginário popular e enterrando de vez a possibilidade de uma direita democrática governar o país.

CONCLUSÃO

Mesmo com a real e iminente ameaça comunista, uma intervenção militar seria a pior forma de (des)arrumar a casa. Para que o Brasil se desenvolva é necessário uma democracia liberal, pautada no livre mercado e na sabedoria adquirida através do hábito e da tradição, além do respeito à democracia adquirida pela geração de nossos pais. Uma nova ditadura só mergulharia o país no caos, aumentando o poder do estado, afundando a economia, eliminando as liberdades individuais, abrindo brechas para a concentração de poder, e provocando um descontentamento generalizado.

CONCLUSÃO RESUMIDA:

PAREM DE APOIAR A INTERVENÇÃO MILITAR, E VOTEM DIREITO, CAZZO!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Exclusivo! Análise da Apostila de Sociologia do Estado de São Paulo.

Pare de acreditar no governo e descubra por que a apostila de sociologia da rede estadual de São Paulo é um material puramente ideológico que está lobotomizando seus filhos. Confira a análise detalhada feita por um professor!

Leitor, conhece a receita para fazer uma apostila de sociologia eficiente? Primeiro coloque feminismo, militância gay, sindicalismo, discriminação racial, marxismo e MST no liquidificador. Depois junte um pouco de marxismo cultural - para dar a liga - e bata tudo no liquidificador. No final, adicione uma pitada de "legitimidade" científica e mande entregar em todas as escolas públicas.

Assim é feita a Apostila de Sociologia da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo - que me emprega como professor. Esta possui um programa educacional chamado São Paulo faz Escola. Aplicado em todas as escolas da rede desde 2008, o sistema tem um objetivo  aparentemente nobre: enfrentar o baixo desempenho escolar subsidiar o trabalho de professores, gestores e alunos (Catanzaro, 2012). Na prática, é uma cartilha que norteia o que os alunos devem aprender. Legal né? Só que não.

Programa São Paulo Faz Escola: Apesar de facilitar a vida de professores e alunos, estimula a doutrinação ideológica nas escolas.
De fato, organizar o conhecimento em apostilas é bom para todos: ajuda o trabalho do professor e dinamiza a compreensão do aluno. Além disso, o sistema possibilita que haja uma continuidade lógica no conhecimento transmitido, facilitando o aprendizado. Como educador, tenho que fazer justiça e reconhecer que o modelo facilita muito nossa rotina.

Mas nem tudo são flores. Enlatar o conhecimento em cartilhas tem seu lado sombrio: acelera, e muito, a doutrinação marxista/gramscista nas escolas. Não estou falando isso porque sou um "tiozinho reacionário sem noção", mas sim porque sou professor de ensino público e sinto este problema na minha própria pele. Pois é.

ANÁLISE DO MATERIAL ESCOLAR - SOCIOLOGIA 

Para trazer um pouco desta realidade para vocês - restrita somente aos profissionais da educação do estado de São Paulo, o Diário de um ex Comunista quebrou um jejum de postagens elaborando um longo texto sobre a doutrinação ideológica nas escolas.

Dentre as diversas "apostilas do aluno", certamente nenhuma é tão descaradamente revolucionária quanto a do primeiro volume de Sociologia do terceiro ano do Ensino Médio, elaborada para ser ministrada no primeiro e segundo bimestre. Neste diminuto pedaço de papel, há esquerdices de todo tipo: incentivo indireto a homossexualidade, ideologia de gênero, populismo sindical, terrorismo agrário e uma resma panfletagens correlatas.

Justamente pela gravidade de seu azedume ideológico, a apostila foi a escolhida para ilustrar a lobotimização política no ensino básico - assunto este, já abordado por Pascal Berbardin em Maquiavel Pedagogo.

Vamos lá. No Estado de São Paulo, há dois tipos de apostila: o "Caderno do Professor" e o "Caderno do Aluno". É importante compreender esta peculiaridade, pois a análise abaixo corresponde aos dois materiais. Averigue bem a seguinte capa:

Caderno do Professor e Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I

Reparou? A cara é amigável, mas o conteúdo é bombástico. Não é preciso sequer estudar a apostila para captar as verdadeiras intenções curriculares da disciplina. Logo no índice já é possível ter uma ideia do tamanho da bomba:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 4

Observa-se que as situações de aprendizagem são totalmente voltadas para o marxismo cultural, como manda o figurino revolucionário. Para os alunos inocentes, as militâncias são sempre abordadas como "movimentos sociais" em "busca da cidadania", sendo jamais revelados seus pontos negativos, e tampouco as suas respectivas estratégias de dominação cultural. Se tiverem estômago, "apreciem" a introdução da Situação de Aprendizagem 6:

Caderno do Aluno- 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 58

Para os autores do São Paulo faz Escola, os movimentos progressistas - ou as milícias do pensamento, são reconhecidas como ação de "diversos grupos sociais em defesa de seus direitos", cuja natureza é fruto da "luta que brasileiros e brasileiras vêm levantando desde a Proclamação da República". Ao enxergar a sociedade somente através da luta de classes, a apostila ignora as individualidades humanas, evidenciando somente uma visão parcial e panfletária da realidade, como no caso dos sindicatos:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 52

Durante toda a Situação de Aprendizagem 6,  os sindicatos são vistos como heróis salvadores que tiraram os trabalhadores da miséria. Não há sequer menções sobre os problemas da interferência do governo na economia e muito menos sobre os males da legislação trabalhista. Segundo a apostila, os trabalhadores só têm benefícios porque o Estado se interferiu no capitalismo. Viva o Estado!

A proselitismo ideológico continua em defesa do agroterrorismo:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Páginas 62 e 102

Para uma boa conduta em sala de aula, o MST deve ser mencionado "trabalhando os esteriótipos e preconceitos", sem "julgá-lo segundo interesses determinados". Não é necessário dizer que o agronegócio e o capitalismo entram no grupo destes "interesses determinados", quiçá a Rede Globo e a revista Veja também.

De acordo com a cartilha, a política fundiária brasileira seria responsável pela "expulsão dos trabalhadores rurais", gerando pobreza e caos familiar. No material, os benefícios do agronegócio são ignorados, bem como a revolução verde e a balança comercial brasileira. Para essa gente, o MST é "bonzinho" e o latifúndio é "maldoso".

Prosseguindo a doutrinação ideológica, a Situação de Aprendizagem 7 discorre sobre o "Movimento Feminista", na qual o aluno poderá aprender "que a condição feminina e a masculina são historicamente construídas". Conforme evidenciado na imagem abaixo:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 74

Evidentemente,não poderia faltar o chavão clássico das feministas:  ser "homem ou mulher é apenas uma questão meramente histórica! A apostila aposta na ideologia de gênero, provavelmente incutindo na mentalidade dos adolescentes que essa coisinha chata chamada biologia é algo reacionário demais para se levar a sério. Homens e mulheres? Bobagem! Somos todos formigas hermafroditas!

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 82

Como se não bastasse, na página XX, a apostila de sociologia tenta atrair o aluno para a causa feminista:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 75

Devido ao alto grau de escatologia, somente este pequeno trecho de "Leitura e análise de texto" renderia uma longa postagem refutatória. Segundo a apostila, se você é contra a "violência contra a mulher", você é automaticamente feminista! Quem poderia ser a favor da agressão, não é mesmo?
"Seria como dizer: Hitler construiu Fuscas! Se você gosta de Fusca, você é nazista!" Caro leitor, isto chama-se falácia, e das bravas, viu?

Inclusive, esta questão me chamou muito a atenção:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 77

O que seria dissertar sobre o "preconceito no Brasil em relação ao feminismo"? Seria afirmar que nem todas as femininas são peludas e/ou feias? Seria legitimar um movimento que faz passeatas enfiando símbolos católicos no ânus? [escrevi sobre feminismo aqui] Ou, guardadas às devidas proporções, seria como dizer que "nem todo bandido é maldoso"? 


Calma! Ainda pode piorar! A Situação de Aprendizagem 9 chama-se "Novos Movimentos Sociais: Negro, LGBT, e Ambientalista". Só o título já é de causar certos calafrios, mas vamos ao que se segue:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 88

Segundo a introdução do capítulo, cada "grupo social" é "portador de necessidades e interesses legítimos", incluindo o sistema de cotas raciais, que seria um "direito". Naturalmente, não preciso dizer que é um absurdo dos grandes [já escrevi sobre isso aqui]. Uma das questões, inclusive, leva o aluno à associar desigualdade social com desigualdade racial:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 91

De acordo com o gabarito, a resposta correta para a questão é:

Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 103

Fica subentendido que a pobreza afeta somente a população negra, ou "afrodescendente", sendo ignoradas as mazelas sociais dos brancos e pardos. É sempre bom ressaltar que como diria a sábia Ayn Rand, o indivíduo é a menor minoria que existe [inclusive, já escrevi sobre isso [aqui]. Faltou, e muito, dizer que o livre mercado é a melhor forma de equalizar as diferenças raciais; e que grande parte da "discriminação social do negro" existe justamente por causa da mentalidade revolucionária-paranóica, que enxerga luta de classes em tudo.

Outra minoria bastante abordada é a LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, cujas reivindicações incluem a "criminalização da homofobia". A lição de casa abaixo, acompanhada do gabarito, resume essa questão:

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 95
Caderno do Professor - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 104

Em conformidade com a apostila, a  "punição para todas as formas de rejeição ou expressão de preconceito contra homossexuais" seria apenas um "reconhecimento jurídico" da condição de um comportamento sexual. Não gostou? Manda prender!

É importante ressaltar que nem todos são obrigados a aprovar a conduta homossexual, incluindo padres católicos ou pastores evangélicos. Se o direito à sexualidade deve ser exercido, o direito à liberdade religiosa também, oras! [escrevi sobre isso aqui]. Entende-se que por mais bem intencionados que sejam os militantes, criminalizar uma simples opinião abre severas brechas para a censura no país.

Para fechar o bimestre, e também para encerrar esta postagem, que tal convidar os alunos a escrever uma letra de música "inspirada nas reivindicações de um dos movimentos estudados (negro, LGBT ou ambientalista)"? 

Caderno do Aluno - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - Página 101

Boa lição de casa! =)
Por Diário de um ex Comunista

Fontes:
Caderno do Aluno - Sociologia 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - 2014
Caderno do Professor - Sociologia - 3ª Série do Ensino Médio - Volume I - 2014
Maquiavel Pedagogo - Pascal Bernardin (recomendado!)
www.teses.usp.br/teses/.../FABIANA_OLIVIERI_CATANZARO.pdf
 

domingo, 27 de julho de 2014

Um ano de blog! Leia as postagens mais acessadas e confira nossa história

Hoje é o primeiro aniversário do Diário de um Ex Comunista. Muitas felicidades e muitos anos de vida! Longe de Cuba e da Coréia do Norte, é claro. 

Vestindo camisetas do Che Guevara e reclamando do McDonalds, eu militara à favor da igualdade de renda e da implantação do socialismo no Brasil: costumara votar no PSOL e fazer trabalhos acadêmicos defendendo o MST e a coletivização no campo. Nos termos de Lênin, eu era um idiota útil.

Felizmente, graças à pessoas iluminadas como Olavo de Carvalho (mito!), Graça Salgueiro, Heitor de Paola, Reinaldo Azevedo, Rodrigo Constantino, Luiz Felipe Pondé, e inúmeros outros articulistas que vou fazer a injustiça de não citar aqui, fui pouco à pouco saindo do limbo mental e entrando em choque com a realidade capitalista. Intrigado por este novo cenário, entrei em contato com a literatura liberal-conservadora. Do dia para a noite, nomes como Adam Smith, Milton Friedman, Ludwig von Mises, Friedrich Hayek, Frédéric Bastiat, Russell Kirk, e Thomas Sowell começaram a povoar a minha biblioteca. Agora tudo fazia sentido! Como eu era imbecil!

Inconformado com a minha imbecilidade pretérita, há exatamente um ano atrás, resolvi escrever um blog contando a minha desintoxicação comunista e a minha jornada incessante rumo à inteligência político-filosófica. Prontamente, nascia no dia 27 de julho de 2013 o Diário de um ex Comunista, que veio à tona detonar mitos esquerdistas que acreditara estarem corretos. Sou uma formiguinha intelectual, é verdade, mas apesar das minhas bobagens acadêmicas esquerdistas terem virado comida de traça, as 49 postagens de meu blog atraíram extraordinárias 47.146 visitas, que vieram acompanhadas de 462 comentários! Não esperava nem 10% disso!

Diz o ditado que uma andorinha só não faz verão. Por isso devo agradecer aos milhares de leitores que ajudaram a construir este blog, lendo, compartilhando e comentando as postagens. Já recebi excelentes indicações de livros, descobri podcasts e aprendi bastante com os debates nos comentários. Valeu pessoal! Para não dizer que não falei das flores, olha os números aí (!):

47 mil visualizações de página: obrigado, leitores!

Além da força dos leitores, o Diário teve a sorte de conhecer blogs e sites que impulsionaram as visualizações. Apesar de grande parte do tráfego vir do próprio buscador do Google e mesmo da página do Facebook, a conexão com o blog do Luciano Ayan e a parceria com a Central do Búfalo renderam ótimos frutos. Além disso, os blogs Conspiratio e Peruíbe nas Trevas e o site Libesfera também ajudaram bastante a divulgar o Diário. Valeu gente!

Embora não ganhe um centavo administrando postagens semanais para este blog, tenho uma enorme satisfação ao ser recompensado simbologicamente com este trabalho quase altruísta de iluminar mentes. Cada pessoa que deixa de votar no PT, cada pessoa que conhece Olavo de Carvalho, e cada pessoa que deixa de acreditar no socialismo me fornece combustível para continuar escrevendo estas palavras. Sim, é possível deixar de ser idiota-útil!

Para comemorar (e para finalizar), seguem os links das postagens mais acessadas do blog - que não foram necessariamente as melhores, mas as mais populares. Mais uma vez obrigado. Boa leitura!






domingo, 20 de julho de 2014

A Direita é discriminada no Brasil, por quê? (Parte III - Final)

Além de desvincilhar-se da imagem de "ditadura militar", a direita deve saber separar estado e religião e sempre discursar utilizando a lógica e o raciocínio embasado. Veja aqui a última parte da série!

A direita é discriminada no Brasil, por quê?
Parte I Parte II - Parte III

ERROS DA DIREITA NO BRASIL - PARTE III

Erro 7 - Não desassociar sua imagem da ditadura militar

Para a maioria das pessoas - inclusive estudantes universitários, ser de "direita" equivale a compactuar-se com a ditadura militar, e consequentemente, defender a tortura e o assassinato de opositores inocentes. Ironicamente, foi justamente a esquerda que mais assassinou, torturou e fuzilou pessoas ao longo da história mundial. Malgrado este histórico repugnante, ao contrário do que ocorre com a direita, a imagem do esquerdista é comumente associada à "justiça social" e à "altruísmo". Será que matemática básica é tão difícil assim? É só contar o número de mortos, oras.

Em março de 2014, houve uma reedição da Marcha da Família com Deus pela Liberdade que pedia a intervenção militar no Brasil, reunindo apenas 500 pessoas no centro de São Paulo. Muitos eleitores "de direita", incluindo eu, não concordam com uma nova intervenção, mesmo compreendendo perfeitamente os argumentos dos nacionalistas que a enxergam como único meio para parar as loucuras administrativas do PT. Mesmo assim, esse evento ajudou a reforçar o falso esteriótipo da "direita torturadora". E aí?

A intervenção militar seria totalmente oposta aos ideais liberais-conservadores, que incentivam a liberdade econômica e o respeito às instituições democráticas.

O governo militar praticou um enorme esforço histórico ao salvar o país do comunismo, mas também fez bobagens. É preciso reconhece-las para ganhar o debate, incluindo as torturas e os devaneios econômicos. É necessário assim, mostrar a incompatibilidade dos ideais liberais-conservadores com as políticas adotadas no governo militar: intervencionismo econômico e criação de empresas estatais é incoerente com os ideais de liberdade e livre mercado. Além disso, nós, os "malditos direitistas" defendemos a solidez democrática e o respeito às instituições, conceitos exatamente opostos à "ditadura". 

Erro 8 - Falar coisas sem ter certeza

Pastor Malafaia,
parcialmente correto.
Todos nós sabemos que esquerdistas são exímios especialistas em falar bobagens sem sentido. Porém, ao contrário deles, nosso livre pensamento é escanteado o tempo todo na mídia e nas universidades. Assim, nas raras vezes em que adquirimos algum espaço para comunicação, não podemos nos dar ao luxo de discorrer sobre temas que não compreendemos, com o grave risco de sermos fuzilados culturalmente.

Um famoso episódio deste massacre é a polêmica ocorrida no programa De Frente com Gabi, na qual o Pastor Silas Malafaia proferiu um discurso sério e consistente contra a ditadura da militância gayzista [o vídeo está no final da postagem]. Entretanto, apesar de falar muitas verdades, Malafaia afirmou, sem provas, que a homossexualidade tem origem puramente comportamental. O resultado da insensatez foi um vídeo-resposta do geneticista Eli Vieira desmentindo o pastor com inúmeros estudos científicos internacionais. Quem está certo? Não sei, confesso que não entendo nada de genética. Só sei que com essa polêmica a direita ganhou mais um um status de reacionária e inimiga da ciência.

Erro 9 - Confundir política com religião

Sou cristão e reconheço que os evangélicos e os católicos têm feito um excelente trabalho no congresso, barrando projetos totalitários e freando a implantação do marxismo cultural em nosso país, principalmente em relação ao aborto e à cartilha gay. Não arrisco em dizer que fiéis são um dos maiores obstáculos para a dominação cultural gramscista no Brasil. Neste aspecto estão de parabéns.

Apesar de tentador, as convicções religiosas não devem extrapolar o campo cultural. Não sou esquerdista, mas estado laico é fundamental.

Entretanto, devemos sempre ter em mente que apesar da liberdade religiosa ser assegurada no Brasil, somos um estado laico. Portanto, por mais corretos que estejam, parlamentares que discursarem argumentando teologicamente irão perder a razão. Um exemplo famoso é o polêmico caso do aborto, que divide até mesmo "direitistas". Quem porventura afirmar que "o aborto deverá ser proibido porque Deus não permite", irá perder feio a discussão jurídica. Ao invés disso, seria muito mais eficiente argumentar que "o aborto deverá ser proibido porque fere o direito à uma vida inocente". Religiosos, embora o sejam, devem sempre utilizar fatos concretos em sua retórica. Querendo nós ou não, a Bíblia somente serve de argumento para os cristãos, e não para modificar as leis de nosso país.

Outro caso bastante delicado é o do casamento gay, que é condenado pela Bíblia e consequentemente, pelos conservadores religiosos. Embora os católicos e evangélicos tenham suas convicções morais - o que é realmente louvável em um mundo indecente - o estado não tem o direito de interferir na vida privada dos indivíduos. Se um casal homossexual quiser se casar, qual o argumento não-teológico para proibir tal manifestação? Não devemos confundir "homossexualidade" com "ditadura gayzista".

Erro 10 - Não ler o Diário de um Ex Comunista

Esse é o erro mais grave!

---

Enfim, que estes erros sirvam para mudarmos nossas atitudes e reavermos estratégias políticas para não sermos mais vistos como "reacionários sem coração" ou "caras que não gostam de pobres e minorias". Ressaltando que esta série não tem o intuito de ofender, denegrir ou dividir a direita nacional, mas sim de apontar para possíveis correções, que fazem parte de um ponto de vista particular e unilateral. Evidentemente, vocês poderão ter opiniões diferentes. Que fiquem à vontade para expressá-la nos comentários. Obrigado!